Moscou é a 9ª mais barata da Europa para um fim de semana

Queda da moeda atrai fluxo de turistas ao país

Queda da moeda atrai fluxo de turistas ao país

Serguêi Bobilev/TASS
Ranking dos correios britânicos avaliou gastos com turismo em 35 localidades do continente. Fim de semana completo sai por US$ 210, segundo pesquisadores.

A capital russa ficou classificada em 9º lugar em um novo ranking que lista as cidades turísticas mais baratas da Europa para se fazer uma pausa de fim de semana, divulgou esta semana a página britânica do site de notícias Business Insider.

De acordo com a pesquisa, o câmbio desfavorável do rublo em relação às moedas globais possibilita que uma viagem de fim de semana a Moscou custe em torno de US$ 210.

O site alerta, porém, que os visitantes estrangeiros provenientes da União Europeia, ao contrário dos turistas brasileiros, precisam obter um visto para visitar a Rússia, o que pode gerar despesas adicionais.

O ranking é liderado por Varsóvia, na Polônia, seguida por Vilnius, Budapeste, Riga, Cracóvia, Lisboa, Dubrovnik e Praga. Logo após Moscou, a cidade de Atenas, na Grécia, encerra o top 10.

O oitavo estudo anual conduzido pelo UK Post Office (correios britânicos) avaliou 35 cidades europeias de acordo com 12 gastos mais comuns em viagens, incluindo refeição completa com uma garrafa de vinho para dois, duas noites em um hotel três estrelas, custos de transporte e excursões, e preço de uma xícara de café, entre outros.

Em outro estudo recente, divulgado pelo Economist Intelligence Unit (EIU), braço de pesquisas da revista britânica “The Economist”, Moscou e São Petersburgo despencaram no ranking mundial das cidades mais caras para se viver em 2016.

Segundo os autores, a redução de quase 40% do custo de vida, em relação aos padrões internacionais, nas duas maiores cidades russas ao longo do último ano também se deve à desvalorização do rublo.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? 
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.