Diminui dependência em relação ao petróleo, anuncia Medvedev

Em Sôtchi, Medvedev (à dir.) descreveu estratégia do governo até 2030

Em Sôtchi, Medvedev (à dir.) descreveu estratégia do governo até 2030

Dmítri Astakhov/RIA Nôvosti
Commodities contribuíram com menos de metade de receitas do orçamento ao longo do último ano. Para manter tendência, país pretende agora focar em investimento, substituição das importações, reforma administrativa e corte de gastos.

As receitas do petróleo e do gás constituíram, pela primeira vez na história da Rússia moderna, menos de metade do orçamento federal, anunciou o primeiro-ministro russo, Dmítri Medvedev, em discurso no Fórum Econômico Internacional de Sôtchi.

Segundo o premiê, a mudança se deve, em grande parte, à queda dos preços do petróleo e à política de câmbio flexível. “Mas essa tendência tem que ser apoiada, mesmo quando os preços do petróleo voltarem a se recuperar”, acrescentou Medvedev.

O objetivo do governo é que as receitas de petróleo e gás não voltem a ser a principal fonte do orçamento federal, e as receitas extraordinárias obtidas com a venda das commodities sejam direcionadas para os fundos soberanos do país.

Durante o discurso, Medvedev destacou ainda que a instabilidade econômica e política no mundo tiveram maior efeito sobre os países em desenvolvimento. “A economia russa é refém e beneficiária da globalização. Não podemos ignorar as tendências globais.”

“Além disso, já faz um ano e meio que a nossa economia russa enfrenta a pressão inédita das sanções dos EUA e da Europa e, em muitos aspectos, a esfera da tecnologia foi completamente fechada para o país”, acrescentou o premiê.

Quarteto do futuro

O governo russo anunciou também a estratégia de desenvolvimento do país até 2030, baseando-se em quatro pontos prioritários: investimento, substituição das importações, aumento de eficiência da administração pública e controle da política orçamental.

“O principal desafio é eliminar as barreiras que dificultam a entrada do dinheiro [privado] no mercado”, reforçou o premiê russo.

No último ano já foram criadas diversos instituições para atrair investimento privado, como o Fundo de Desenvolvimento da Indústria, que oferece apoio a empresas em fase inicial de atividade.

Paralelamente, o governo facilitou o acesso a instrumentos financeiros a um leque mais amplo de investidores. Agora, segundo Medvedev, substituição de importações deve servir de impulso para reformas estruturais e equilíbrio da economia nacional.

“O retorno de produtos russos ao mercado é o primeiro passo – o objetivo final é a criação de empresas competitivas”, explicou o premiê.

Em alguns setores, como na produção de alimentos e medicamentos, o retorno financeiro é rápido; em outros, como na engenharia mecânica, o ciclo de investimento tende a ser maior e mais lento.

Além de todas as medidas citadas, aposta-se que, em um futuro próximo, devido ao declínio da receita e dos preços do petróleo, a política fiscal seja mais rígida.

“O orçamento para 2016 se apoia nesse princípio, e ficarão protegidas apenas as obrigações internacionais, a segurança, a agricultura e a política social”, disse Medvedev. “Nas demais áreas, haverá cortes na despesa pública.”

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.