Moscou deixa o top 10 das cidades mais caras do mundo

Os autores da pesquisa explicam que a saída de Moscou do top 10 se deve ao enfraquecimento da moeda nacional Foto: Shutterstock

Os autores da pesquisa explicam que a saída de Moscou do top 10 se deve ao enfraquecimento da moeda nacional Foto: Shutterstock

Enfraquecimento do rublo e sanções fizeram capital cair da 9ª para 50ª posição em ranking anual da Mercer. São Paulo e Rio de Janeiro são as únicas cidades brasileiras presentes na lista.

De acordo com um estudo recente da consultoria internacional Mercer, Moscou saiu da lista das dez cidades mais caras do mundo, depois de cair da 9ª para 50ª posição no ranking da empresa. Dois anos atrás, a capital russa ocupava o segundo lugar dessa lista.

Os autores da pesquisa explicam que a saída de Moscou do top 10 se deve ao enfraquecimento da moeda nacional, à queda dos preços do petróleo e às sanções impostas pelo Ocidente.

Além da capital russa, Tóquio também deixou o top 10 das cidades mais caras do mundo. A cidade japonesa passou da 7ª para 13ª posição no ranking, também por causa do enfraquecimento da moeda nacional, o iene, em relação ao dólar.

Entre as cidades russas, São Petersburgo também figura no ranking da Mercer. No fim do ano passado, a chamada ‘capital cultural da Rússia’ assumiu a 152ª posição na lista dos lugares mais caros do planeta.

Já entre as brasileiras, São Paulo (40ª posição) e Rio de Janeiro (67ª) são as únicas duas cidades presentes no recente estudo da Mercer. Considerando apenas a América do Sul, ambas integram o top 5 das cidades mais caras ao lado de Buenos Aires (19ª), Santiago (70ª) e Porto de Espanha (76ª).

Top 10

A capital de Angola, Luanda, passou a ser a cidade mais cara do planeta. Hong Kong (China) e Zurique (Suíça) ocupam, respectivamente, o segundo e terceiro lugar no ranking. Cingapura (Cingapura) e Genebra (Suíça) encerram a lista das cinco primeiras posições. As demais cidades que integram o atual top 10 são Shanghai (China), Pequim (China), Seul (Coreia do Sul), Berna (Suíça) e N'Djamena (Chade).

 

Publicado originalmente pelo jornal Rossiyskaya Gazeta

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.