Banco Central compra dólares para repor reservas cambiais

Segundo os especialistas, compra de dólares dá a entender para o mercado que não há interesse em fortalecer o rublo Foto: DPA/Vostock-Photo

Segundo os especialistas, compra de dólares dá a entender para o mercado que não há interesse em fortalecer o rublo Foto: DPA/Vostock-Photo

Embora quantias sejam relativamente pequenas, economistas sugerem que medida vai contra o fortalecimento do rublo e os planos de substituição de importações.

Nos dias 13 e 14 de maio, o Banco Central da Rússia comprou montantes relativamente pequenos, de até US$ 200 milhões por dia, para repor as reservas cambiais.

“A troca de moeda diária equivale a cerca de US $ 5 bilhões, por isso, compras de US$ 100-200 milhões não devem ter um impacto significativo sobre a dinâmica do mercado de câmbio”, diz o chefe do departamento de análise da empresa de investimentos Russ-Invest, Dmítri Bedenkov. 

Porém, segundo os especialistas entrevistados pela Gazeta Russa, a compra de dólares dá a entender para o mercado que não há interesse em fortalecer o rublo. “O fortalecimento do rublo tem uma série de consequências desagradáveis para a economia. As empresas orientadas para a exportação precisam do rublo barato, diz a professora de ciências econômicas e sociais da Academia Presidencial da Economia Nacional e da Administração Pública da Rússia, Alla Dvorêtskaia.

Em outras palavras, o fortalecimento do rublo ameaça os interesses dos exportadores, especialmente de matérias-primas, e, consequentemente, orçamento da Rússia baseado na receitas das vendas do petróleo e do gás. “A estabilização da política externa, a dinâmica instável dos preços do petróleo e as intervenções apoiam o rublo e estimulam as importações, o que inibe o crescimento econômico e a substituição de importações”, explica Dvorétskaia. 

Política centralizada

A nova prática do Banco Central contradiz a proposta anterior de transição para uma taxa de câmbio livre do rublo. “A retomada oficial das compras regulares de moeda estrangeira no mercado interno contradiz à implementação pelo Banco da Rússia de transição à flutuação livre do rublo”, diz Dvorétskaia. 

No início de 2014, o Banco Central congelou as intervenções cambiais direcionadas, e no final do ano, a instituição tentou sair por completo do mercado, o que levou a uma queda drástica da moeda russa. “Assim, o Banco Central da Rússia reservou o direito de realizar intervenções irregulares e repentinas apenas em caso de ameaças à estabilidade financeira.”

Segundo Dvorétskaia, quando o Banco Central tentou lidar com o colapso do rublo no segundo semestre de 2014, a instituição gastou bilhões na compra de dólares por dia sem qualquer efeito prático. “Hoje, essas compras são apenas um importante sinal que vai acalmar os especuladores de moeda”, arremata.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.