Governo vai injetar US$ 780 milhões para combater desemprego

Foto: Vladímir Smirnov/TASS

Foto: Vladímir Smirnov/TASS

Embora a taxa de desemprego na Rússia continue sendo uma das mais baixas do mundo, o número de licenças forçadas e redução das jornadas de trabalho vem crescendo ao redor do país.

Desde o final de 2014, o governo russo vem monitorando semanalmente a situação no mercado de trabalho. Embora a taxa de desemprego no país seja uma das mais baixas do mundo (5,3%), a atual proposta é injetar 52 bilhões de rublos (cerca de US$ 780 milhões) na economia para evitar uma grande elevação desse índice.

De acordo com as previsões do Ministério da Economia russo, o desemprego deve subir até 6% ao longo deste ano. Para efeito de comparação, durante a crise econômica de 2008 e 2009, a taxa de desemprego no país aumentou de 6,2% a 8,3%.

Recorde em uma semana

Segundo os dados do Ministério do Trabalho, o número de desempregados registrados aumentou 3,4% entre 21 e 28 de janeiro passado, chegando a 903 mil pessoas. Em apenas uma semana, cerca de 30 mil russos perderam o emprego.

Além disso, 235 mil pessoas entraram na lista de “empregados que correm o risco de demissão”. Em primeiro lugar, esse grupo se refere a pessoas que trabalham na indústria automobilística, de engenharia, produção de equipamentos elétricos, materiais de construção e alimentos.

“A crise afetará primeiro as empresas que não têm capital suficiente e que produzem bens nos quais a demanda está caindo”, prevê Vera Kononova, professora no Instituto dos Estudos Estratégicos Complexos. Segundo ela, essas empresas são as que mais dependem muito da ajuda do Estado.

Setores em alerta

O Ministério do Trabalho também espera uma demissão massiva em Tcheliábinsk, região industrial localizada a 1.800 km a leste de Moscou. Até maio de 2015, 82% dos funcionários – quase cerca de 6.100 pessoas – da fábrica de tratores local poderão ser demitidos.

O fabricante de automóveis Volvo também planeja demitir 30% dos funcionários uma vez que a produção de caminhões foi suspensa.

“Trabalhadores altamente qualificados, como comerciantes, gerentes de vendas e advogados também estão em risco”, diz a pesquisadora da Academia Presidencial da Economia Nacional e da Administração Pública da Rússia, Aleksandra Poliakova.

A crise no mercado publicitário e o aumento dos custos de impressão deve provocar ainda a demissão de 15% a 20% de pessoas ligadas à mídia, prevê o Ministério do Trabalho.

Desemprego oculto

O número de trabalhadores que são considerados como empregados, mas trabalham período parcial vem crescendo ainda mais rapidamente. Segundo dados do ministério, o número de empregados em tais condições cresceu 12,8% durante a última semana de janeiro.

Outro problema é que na Rússia há diversas “monogorod”, cidades que funcionam inteiramente em torno da fabricação de um único tipo de artigo ou setor de produção. “Para evitar tensões sociais durante a crise, os empregadores preferem não demitir funcionários, mas reduzir as jornadas de trabalho ou enviar funcionários para licenças sem vencimento", explica Vera Kononova.

Na maioria dos casos, o trabalho nas fabricas de “monogorod” inclui uma longa lista de benefícios sociais. Por isso, o desligamento é também considerado como uma punição mais grave.

“Em 2013, a Rússia havia 342 ‘monogorods’ com uma ou várias fabricas dentro da cidade. Em 142 delas, o nível de desemprego é muito mais alto do que a média nacional”, diz Aleksandr Scherbakov, professor na Academia Presidencial da Economia Nacional e da Administração Pública da Rússia

Fuga de imigrantes

Segundo Poliakova, da Academia Presidencial, vários fatores ajudariam a conter crescimento da taxa de desemprego. Uma delas é a saída de imigrantes do país.

Dados do Serviço Federal de Migração mostram que, em janeiro de 2015, o número de imigrantes que entraram na Rússia caiu 70% em relação ao mesmo período do ano anterior.

“Se houver uma saída de trabalhadores estrangeiros, os desempregados poderão ocupar essas vagas”, sugere Scherbakov. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.