Ministro das Finanças vai liderar conselho administrativo do Banco do Brics

Anton Siluanov será o primeiro presidente do supremo órgão colegiado da nova instituição Foto: TASS

Anton Siluanov será o primeiro presidente do supremo órgão colegiado da nova instituição Foto: TASS

O primeiro presidente do conselho de administração do Banco de Desenvolvimento do Brics será o ministro das Finanças russo Anton Siluanov. O anúncio foi feito no canal de televisão Rússia 24 pelo vice-responsável da pasta, Serguêi Stortchak.

“O primeiro presidente do conselho de administração do Banco de Desenvolvimento do Brics, após a conclusão de todos os trâmites organizacionais, será o nosso ministro Anton Siluanov”, disse Stortchak.

Os órgãos administrativos da nova instituição serão criados com base em um sistema de três níveis de governança corporativa: supremo órgão colegiado (conselho de administração), órgão executivo (conselho de diretores) e o presidente do banco, que será eleito por cinco anos em representação dos fundadores e em um sistema de rotação.

Pelo acordo de criação do banco, o primeiro presidente do conselho de administração será um representante da Rússia, o primeiro presidente do conselho de diretores será um representante do Brasil e o primeiro presidente do banco será um representante da Índia.

No início de fevereiro, foi divulgado que a primeira reunião do conselho de diretores do Banco de Desenvolvimento do Brics será realizada em julho, na cidade russa de Ufa.

À espera da ratificação

O acordo de criação do Banco de Desenvolvimento do Brics foi assinado pelos cinco membros na cúpula do grupo no Brasil, em julho de 2014. O documento deve ser ratificado pelos parlamentos dos respectivos países.

Na Duma (câmara de deputados da Rússia), a proposta de lei foi apresentada no início de fevereiro. Segundo o ministro das Finanças russo e futuro presidente do conselho de administração da instituição do Brics, o país deve ratificar o acordo no início de março.

O volume de capital permitido do banco será de US$ 100 bilhões, do qual US$ 50 bilhões será capital alocado; US$ 10 bilhões, capital integralizado; e US$ 40 bilhões será integralizado “conforme solicitação”.

O capital integralizado será formado ao longo de sete anos, e as cotas de participação serão distribuídas de forma proporcional entre os participantes do banco.

 

Publicado originalmente pela agência Tass

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.