Governo anuncia medidas para salvar os bancos

Medidas tentam conter efeitos da queda dos preços do petróleo e maior desvalorização do rublo Foto: TASS

Medidas tentam conter efeitos da queda dos preços do petróleo e maior desvalorização do rublo Foto: TASS

Autoridades estão tentando conter possíveis efeitos negativos da queda dos preços do petróleo e maior desvalorização do rublo. No total, será injetado 1 trilhão de rublos (US$ 15 bilhões) para defender os bancos russos dispostos a aumentar os empréstimos na economia real.

O primeiro-ministro russo Dmítri Medvedev declarou que o governo vai gastar cerca de US$ 15 bilhões para ajudar os bancos a combater a crise. A medida permitirá criar uma margem de segurança adicional, ajudando a superar as consequências da queda dos preços do petróleo e desvalorização do rublo, que viu seu valor despencar 100% em relação ao dólar.

O Banco Central da Rússia fornecerá financiamento adicional aos bancos através da Agência de Seguro de Depósitos – um órgão especial que garante a devolução de depósitos.

Segundo Medvedev, os recursos estarão disponíveis apenas para bancos que aumentem os empréstimos no setor real da economia. Também devem ter patrimônio líquido de pelo menos 2 bilhões de rublos (US$ 385 milhões) e limitar o aumento de salários dos funcionários.

“As exigências para os bancos não são surpreendentes, mas também não são muito otimistas”, observa o analista da holding de investimentos Finam, Anton Soroko. “Os bancos de varejo, que precisarão da ajuda financeira em 2016 para conter dívidas, não estarão aptos a receber esse dinheiro.”

De acordo com a previsão do chefe da Agência de Seguro de Depósitos, Iúri Issaev, cerca de 150 bancos federais e regionais receberão a ajuda do governo. 

Perigos da crise

Como principais vantagens da economia russa, Medvedev citou a pequena dívida externa, a baixa taxa de desemprego e a consolidação política. “O governo não tem a intenção de extinguir a crise econômica com dinheiro”, disse. Mas os economistas apontam que o governo está sendo obrigado a gastar muitas reservas com a queda do rublo.

Segundo o presidente do gigante Sberbank, Guêrman Gref, se os preços do petróleo permanecerem em torno de US$ 45 por barril, a economia russa enfrentará uma enorme crise bancária.

Devido à volatilidade econômica atual, Gref sugere que os bancos deveriam acumular quase três trilhões de rublos (US$ 46,2 bilhões) em reservas durante 2015. “Eu não sei quantos bancos serão capazes de acumular essa quantia”, acrescenta.

Na semana passada, o Sberbank publicou os resultados financeiros de 2014. O lucro líquido do banco caiu 22,1% para 305,7 bilhões de rublos (US$ 4,7 bilhões).

A possível redução da nota de avaliação da Rússia para os especuladores também pode se tornar um fator negativo que afetará os bancos russos. “Mas a nota só será rebaixada se persistir a combinação de fatores negativos, como baixos preços do petróleo, o rublo fraco e agravamento das sanções econômicas”, esclarece o diretor do Departamento de Análise da corretora Alpha-Forex, Andrêi Dírguin.

Apesar dos prognósticos desfavoráveis, o chefe do conselho da Administração do banco MDM, Oleg Viúguin, qualificou as previsões de Gref  como “um pouco exageradas”. “O sector bancário enfrentará problemas, mas não é possível falar de uma enorme crise bancária”, alega Viúguin.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.