“Situação atual é parecida com a crise de 1986 na URSS”, diz Vladímir Mau

Mau: "Hoje, a Rússia está sendo afetada por várias crises" Foto: PhotoXPress

Mau: "Hoje, a Rússia está sendo afetada por várias crises" Foto: PhotoXPress

Desde setembro de 2014, quando os preços do petróleo começaram a despencar, a moeda nacional russa passou a sofreu uma drástica desvalorização. Em entrevista à Gazeta Russa, o reitor da Academia Presidencial da Economia Nacional e Administração Pública da Rússia e um dos responsáveis pelas reformas econômicas da Rússia no início dos anos 1990, Vladímir Mau, faz uma analogia entre a atual situação econômica e a crise na União Soviética no final da década de 1980.

Devido a queda dos preços do petróleo e consequente desvalorização do rublo, a economia nacional estancou. Como o senhor caracteriza essa nova realidade?

Como chefe de uma instituição orçamental e maior universidade da Rússia, prezo pelos altos preços do petróleo. Mas, como historiador econômico, sou a favor de preços moderadamente baixos, porque excesso de renda sempre estraga a qualidade das instituições. No século 16, o aumento de receita da Espanha na forma de prata e ouro levou ao colapso do Estado mais poderoso da Europa. Devemos entender que a crise atual na Rússia é, acima de tudo, uma ótima razão para repensar a política macroeconômica do país.

Como a queda dos preços do petróleo pode ajudar o país a reduzir sua dependência das exportações de matérias-primas e a realizar uma reforma econômica?

Se os preços do petróleo permanecerem baixos, será possível afirmar que a Rússia se livrou da “doença holandesa”. Isto é, quando a produção de outros bens, além de matérias-primas, não é rentável. Isso permitiria suprimir a inflação sem perder competitividade das empresas, porque o rublo se tornará mais forte. A Rússia também poderia simplificar a lei de imigração, porque o país se tornou menos atraente para os imigrantes.

Qual é a razão principal da atual crise econômica? 

Hoje, a Rússia está sendo afetada por várias crises. Em primeiro lugar, há uma crise na estrutura global, que provoca mudanças profundas nas economias e no curso político de países desenvolvidos. Também há uma crise do modelo de crescimento econômico da Rússia dos anos 2000, que se baseou no aumento da demanda e do consumo. Além disso, a situação geopolítica se deteriorou muito, a economia russa está sofrendo com as sanções setoriais, principalmente na área financeira. A queda dos preços do petróleo só intensificou ainda mais a situação.

Qual é a diferença entre a situação atual e a crise econômica de 2008? 

Em 2008 e 2009, a Rússia estava procurando uma saída da crise econômica junto com o mundo inteiro. Hoje, ninguém pode nos ajudar. Na verdade, a situação atual é muito parecida com a crise da União Soviética de 1986. Agora, a Rússia está sofrendo por causa de problemas externos: sanções econômicas, queda dos preços do petróleo. Em 1986, a URSS também sofreu com a queda dos preços do petróleo. Além disso, a campanha antialcoolismo privou o orçamento de sua segunda maior fonte de renda. Naquela época, o governo soviético lutou contra a crise financeira com ajuda de empréstimos estrangeiros. A URSS entrou na crise com uma economia equilibrada, mas, quatro anos depois, o Estado entrou em colapso, embora, durante dois anos, o PIB do país estivesse crescendo. Porém, é preciso admitir que a URSS tinha um sistema econômico muito mais rígido e quase sem reservas.

Vários economistas afirmam que a Rússia poderia responder à crise com um cenário de mobilização ou liberalização da economia. Qual seria o mais adequado?

A liberalização da economia é uma opção mais comum em todo o mundo. O melhor e maior exemplo é a China, que começou a liberalizar a economia em 1978, e especialmente após as manifestações de estudantes em 1989, quando sanções econômicas foram impostas contra o país. O rápido crescimento de investimentos e do PIB da China é o resultado dessa liberalização. Há outros exemplos de crescimento acelerado provocado pela liberalização, como Chile, Finlândia, Irlanda, África do Sul e Polônia. Mas eu não posso dar nenhum exemplo de rápido crescimento provocado pelo modelo de mobilização durante os últimos 50 anos.

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.