Rússia retoma envio de gás à Ucrânia após seis meses de corte

Onda de frio encerrou disputa entre os países em torno de preços e dívidas não pagas Foto: Getty Images/Fotobank

Onda de frio encerrou disputa entre os países em torno de preços e dívidas não pagas Foto: Getty Images/Fotobank

Rússia retomou o fluxo de gás para a Ucrânia nesta terça-feira (9), que havia sido interrompido há seis meses. Pagamento de gás e esforços para amparar moeda estão aumentando dependência de Kiev em relação ao FMI.

“A Ucrânia começou a receber gás russo. O volume das importações é de quase 43,5 milhões de metros cúbicos por dia”, disse Maksim Beliávski, porta-voz do Ukrtransgaz (monopólio que controla o transporte de gás na Ucrânia). “O fluxo chega pelo duto bielorrusso de Mozyr e pela rota oriental de Sudja.”

A russa Gazprom confirmou em um comunicado que o envio de gás havia sido retomado a partir das 7 da manhã desta terça (horário de Moscou). A ex-república soviética consome, em média, cerca de 200 milhões de metros cúbicos por dia durante o inverno.

O país se viu forçado a introduzir cortes de energia generalizados nos últimos tempos. Além da falta de gás russo, a Ucrânia vem sofrendo com a escassez de carvão, uma vez que os movimentos separatistas atrapalham a exploração de minérios no país.

O esfriamento das relações com a Rússia, em decorrência dos combates no leste da Ucrânia, provocou uma reação brusca de Moscou. O governo russo passou a insistir que a Ucrânia pagasse adiantado para renovar o abastecimento durante o inverno, sob os termos de um acordo provisório proposto em outubro.

Endividada, a Ucrânia adiou ao máximo a assinatura do acordo, mas, depois de uma onda de frio que fez as temperaturas despencarem abaixo de zero, a empresa estatal de energia ucraniana Naftogaz transferiu um montante de US$ 378 milhões à Gazprom para o envio de um bilhão de metros cúbicos (bcm) de gás russo em dezembro.

Os pagamentos de gás à Rússia e os esforços para sustentar a moeda nacional, hryvnia, forçaram a Ucrânia a recorrer maciçamente às reservas cambiais, que atingiram o menor nível dos últimos 10 anos.

O esgotamento dos cofres do Banco Central ucraniano sinalizam que o Fundo Monetário Internacional terá que intensificar o programa de resgate de US$ 17 bilhões.

Uma delegação do FMI visitou Kiev nesta terça-feira para iniciar outra rodada de negociações com o novo governo, que se comprometeu a apresentar uma ampla gama de reformas, incluindo no setor do gás, em troca de financiamento internacional.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.