Como os russos se adaptam à queda brusca do rublo

Apesar da desvalorização do rublo e do aumento de descontentamento, a população continua a manter suas poupanças em moeda nacional Foto: Serguêi Kuznetsov/RIA Nóvosti

Apesar da desvalorização do rublo e do aumento de descontentamento, a população continua a manter suas poupanças em moeda nacional Foto: Serguêi Kuznetsov/RIA Nóvosti

A desvalorização do rublo está levando à redução do poder aquisitivo da população e ao aumento do número de pobres no país. De acordo com pesquisas de opinião pública, os russos gastam cada vez mais dinheiro com alimentos e agora preferem viajar dentro do país.

A queda da taxa de câmbio da moeda nacional russa levará à redução do poder de compra da população. É o que aponta previsão do Ministério de Desenvolvimento Econômico da Rússia.

Durante os últimos dois meses, o rublo caiu cerca de 50% em relação ao dólar e ao euro. Como resultado, de acordo com dados do ministério, o número de pessoas que vivem abaixo da linha de pobreza alcançará 11,7%. 

“O enfraquecimento do rublo tem uma série de consequências, inclusive o aumento da inflação, o estreitamento do mercado de consumo e o aumento dos custos de crédito, que provocam desaceleração do crescimento econômico”, explica o analista principal da empresa de investimentos UFS IC, Aleksêi Kozlov.

De acordo com as últimas pesquisas de opinião pública, os cidadãos russos estão gastando mais com comida e preferem viajar dentro do país.

Primeiras consequências

De acordo com o analista da Finam Management Maksim Kliágin, o setor de consumo está sob forte pressão, e o nível de vida está caindo.

“Os consumidores estão cortando gastos em aquisições importantes, como apartamentos, automóveis, produtos e serviços não essenciais", diz Kliágin.

De acordo com o especialista, em setembro, pela primeira vez desde a crise de 2008-2009, os salários reais da população diminuíram 1%.

De acordo com os dados do Serviço Federal de Estatística da Rússia (Rosstat), durante o primeiro semestre de 2014, o crescimento das vendas totais no varejo na Rússia diminuiu de 3,9% para 2,7%.

Segundo o Banco Central da Rússia, devido ao agravamento da situação econômica, o número de empréstimos com atraso está crescendo.

A maioria dos empréstimos estão denominados em rublos. De acordo com a agência de classificação de risco Fitch, no final de setembro, apenas 17% de todos os empréstimos concedidos pelos bancos estavam denominados em moedas estrangeiras.

A preocupação cresce

Apesar da desvalorização do rublo e do aumento de descontentamento, a população continua a manter suas poupanças em moeda nacional. De acordo com pesquisa realizada pela Centro Russo de Estudos de Opinião Pública, dois terços da população prestam atenção à taxa de câmbio do rublo (65%) e mais da metade dos russos (53%) estão preocupados com a queda da moeda nacional. No entanto, apenas 7% trocaram o rublo por moedas estrangeiras durante os últimos dois meses.

De acordo com os dados de outro centro de estatísticas, o Centro Levada, 80% dos russos afirmam que os preços estão subindo e o nível de vida caindo. Os entrevistados afirmam que as principais causas da situação econômica são a queda dos preços do petróleo (45%), as sanções do Ocidente contra a Rússia (33%) e a anexação da Crimeia (30%).

De acordo com a previsão da empresa de investimento VTB Capital, o número de gastos com comida dos russos poderá aumentar de 31% a 40%.

Segundo Dmítri Bedenkov, diretor do departamento de análise da empresa de investimentos IK RUSS-INVEST, "a confiança na moeda nacional é um componente importante do processo de investimento, que estabiliza a economia e garante o ciclo normal de produção e funcionamento correto dos mecanismos de mercado".

Em particular, de acordo com a Agência Federal de Turismo, o número de russos que preferem viajar dentro do país devido à desvalorização do rublo aumentou 30%.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.