Gazprom Internacional chegará à Bolívia em dois anos

A extração de gás será feita nos blocos de Aquio e Itapi Foto: RIA Nóvosti

A extração de gás será feita nos blocos de Aquio e Itapi Foto: RIA Nóvosti

A companhia estatal russa está expandindo suas atividades para começar a extrair gás e petróleo no país sul-americano.

A Gazprom Internacional, braço da estatal Gazprom envolvido em projetos internacionais, pretende aumentar a sua presença na América Latina e atualmente está em negociações com empresas bolivianas.

A empresa já opera em 20 países, e na América Latina atua no Brasil, Bolívia, Venezuela e República Dominicana. A Gazprom International espera começar a extrair gás na Bolívia em 2016, segundo informou a agência Bloomberg.

A extração de gás será feita nos blocos de Aquio e Itapi. O direito de exploração desses blocos pertence à Total E&P Bolivie (60% dos direitos estão nas mãos da Total, 20% pertencem à Gazprom GP Exploración e 20% à argentina TecPetrol Bolívia). A Total E&P Bolivie descobriu em 2013 a jazida de Incahuasi, com reservas estimadas pela Gazprom em 176 bilhões de metros cúbicos de gás e 15 milhões de toneladas de gás  condensado. No ano passado, a Total avaliou o investimento para os trabalhos em Incahuasi em US$ 500 milhões.

Um comunicado divulgado no site da Gazprom Internacional afirma que a extração começará em 2015. Primeiro é preciso extrair o petróleo encontrado no local, o que, segundo uma fonte próxima ao projeto, será feito no ano que vem. Os representantes da Gazprom Internacional e da Total não quiseram comentar o assunto.

Em um relatório, a BP (British Petroleum) não indicou as reservas comprovadas de petróleo da Bolívia, mas as reservas de gás do país são de 300 bilhões de metros cúbicos. O diretor da empresa Small Letters, Vitáli Kriúkov, acredita que, em teoria, pode ser encontrado petróleo nessa região da Bolívia, mas que os volumes devem ser pequenos. “A Bolívia é interessante principalmente em termos de produção de gás”, salienta o especialista. 

 

Publicado originalmente pelo Vedomosti

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.