Moscou é 9ª cidade mais cara do mundo para expatriados

Título de cidade mais cara de Europa, que antes pertencia a Moscou, foi entregue este ano a Zurique Foto: Aleksandr Katchlaev/RIA Nóvosti

Título de cidade mais cara de Europa, que antes pertencia a Moscou, foi entregue este ano a Zurique Foto: Aleksandr Katchlaev/RIA Nóvosti

Capital russa despencou sete posições em lista anual da consultoria Mercer. Queda foi motivada por desvalorização do rublo em relação ao dólar em meio às sanções ocidentais.

O ranking das cidades mais caras para expatriados, publicado nesta quinta-feira (10) pela empresa global de consultoria de recursos humanos Mercer, foi compilado com base no custo comparativo de mais de 200 produtos e serviços, incluindo moradia, transporte, alimentação, vestuário, bens domésticos e entretenimento em 211 cidades.

Moscou ficou em segundo lugar no ano passado – o que tornava-a a cidade mais cara da Europa para emigrantes –, mas quase saiu do top 10 em 2014, graças à desvalorização dramática do rublo em relação ao dólar, agravada pelas sanções ocidentais em meio à crise na Ucrânia.

O título europeu, que antes pertencia a Moscou, foi entregue este ano a Zurique, que conquistou a quinta posição no ranking. Genebra ficou em sexto lugar e Berna, em oitavo, também ultrapassando a capital russa em relação ao levantamento do ano passado.

São Petersburgo, a segunda maior cidade da Rússia, caiu 12 posições, e ficou em 35o lugar.

O primeiro lugar foi ocupado, pelo segundo ano consecutivo, por Luanda, capital da Angola. N'Djamena, no Chade, e Hong Kong completam o trio das cidades mais caras em 2014.

Segundo Ed Hannibal, sócio e líder de negócios móveis da Mercer, apesar de serem relativamente baratas, as duas cidades africanas listadas no topo do ranking acabam sendo caras para expatriados por causa dos altos custos de importação de bens. “Além disso, o tipo de moradia que atende aos padrões de expatriados também é muito caro nesses locais”, aponta Hannibal.

Entre as outras cidades que figuram no top 10, estão Cingapura (4) e Xangai (10º).

Mundo em cifras

Nova York, em 16o lugar, é a cidade mais cara para expatriados na América do Norte. Na América do Sul, São Paulo (49o) foi classificada como a cidade mais cara da região, seguida pelo Rio de Janeiro (65o).

Apesar de observar aumentos moderados nos preços, as cidades da Europa Ocidental, sobretudo no Reino Unido e na Alemanha, subiram no ranking. “Isso ocorreu principalmente por causa do fortalecimento das moedas locais em relação ao dólar”, explica Nathalie Constantin-Metral, responsável pela compilação dos dados do ranking.

Glasgow saltou 49 posições, e ficou em 108o, enquanto Berlim subiu da 99a para 68a posição.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.