Duma libera publicidade de cerveja em estádios e transmissões esportivas

O retorno da publicidade foi bem recebido pelos representantes do setor Foto: PhotoXPress

O retorno da publicidade foi bem recebido pelos representantes do setor Foto: PhotoXPress

Decisão da câmara dos deputados na Rússia deve movimentar US$ 145 milhões em comerciais de cervejeiras russa. Uma das razões para a revogação da proibição, em vigor desde 2012, é a realização da Copa do Mundo de 2018 no país.

Antes de entrar em recesso de verão no início de julho, a Duma de Estado (câmara baixa do Parlamento russo) aprovou, logo nas duas leituras finais, o projeto de lei para suspender a proibição de publicidade de cerveja em eventos esportivos oficiais.

O processo completo de revisão do documento pelos legisladores foi feito em um tempo recorde de dez dias. Segundo o projeto de lei, até 2019 será permitido fazer propaganda de cerveja nos estádios e durante as transmissões de eventos esportivos na televisão.

Além disso, os deputados autorizaram a publicidade de cerveja em veículos impressos, exceto na primeira e última páginas. “Em primeiro lugar, essa decisão foi ditada pelas condições da Copa do Mundo de 2018 na Rússia, cujos patrocinadores titulares são corporações de cerveja transnacionais, e pela necessidade de atrair fundos adicionais para melhorar a rentabilidade desse grande projeto", diz o analista da UK Finam Management, Maksim Kliaguin.

O retorno da publicidade foi bem recebido pelos representantes do setor. “Há muitos anos que a cerveja Baltika patrocina diferentes tipos de esportes, clubes esportivos e ligas. O desenvolvimento do esporte sempre foi uma das prioridades da empresa na área da interação com a comunidade local e a promoção das marcas era feita exclusivamente dentro da lei”, disse à Gazeta Russa Maksim Lazarenko, vice-presidente de marketing da Baltika, maior produtora de cerveja nacional que pertence ao grupo Carlsberg.

Segundo o cálculo efetuado pela produtora de cerveja holandesa Heineken, depois da volta da publicidade aos estádios e à televisão, as cervejeiras russas estariam dispostas a investir em publicidade da bebida 5 bilhões de rublos (US$ 145 milhões) durante os eventos esportivos.

“A publicidade de cerveja nos países onde ela é a bebida nacional, como Alemanha, República Tcheca, Holanda e etc., onde existe a cultura de beber cerveja na hora do almoço, não é proibida e é comumente aceita”, afirma o diretor-geral do escritório de advocacia Zuikov e Parceiros, Serguêi Zuikov.

“Outro exemplo estrangeiro é a cooperação de longa data entre a fabricante Heineken e a Liga de Campeões da UEFA”, acrescenta o analista-chefe da UFS IC, Aleksêi Kozlov.

Torcida pela cerveja

A lei que proíbe a venda de cerveja nos estádios e eventos esportivos foi introduzida na Rússia em 2002. A decisão foi motivada por tumultos protagonizados por torcedores no centro de Moscou, após a derrota da seleção russa para o Japão na Copa do Mundo.

Dois anos depois, os comerciais de bebida alcoólica foram proibidos nos estádios do país e durante a programação diurna da TV. Em janeiro de 2005, passou a ser proibido utilizar a imagem de pessoas e animais em publicidade de cerveja e, em 2009, os anúncios desapareceram por completo da rádio e televisão.

Em 2012, a cerveja passou a ser equiparada a outras bebidas alcoólicas, embora o próprio presidente Vladímir Pútin tenha se manifestado contra tais restrições. “Em todos os países do mundo e da Europa (sic), a cerveja é vendida nos estádios e não tem nada demais nisso”, declarou o presidente na época.

Mesmo durante a atual proibição, desde o final de junho de 2014, os canais de televisão russos veiculam publicidade da cerveja sem álcool Amstel. “Beber cerveja enquanto se assiste ao jogo é uma longa tradição que não tem nada a ver com o abuso de álcool nem com suas consequências para a saúde”, diz um comunicado de imprensa da Heineken, lançado pela empresa por ocasião da aprovação da nova lei. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.