Dívida do gás ucraniana atingiu os US$ 5,3 milhões

Empresa ucraniana descumpriu promessa de efetuar novo pagamento até 7 de julho Foto: Shutterstock

Empresa ucraniana descumpriu promessa de efetuar novo pagamento até 7 de julho Foto: Shutterstock

A dívida ucraniana em relação ao fornecimento de gás russo chegou a US$ 5,29 milhões, segundo declarações do presidente-executivo da gigante de energia russa Gazprom, Aleksêi Miller. Naftogaz não cumpriu os prazos por não concordar com o preço estabelecido pela Gazprom.

A companhia de petróleo e gás estatal da Ucrânia, a Naftogaz, não pagou pelo fornecimento de gás na primeira quinzena de junho, embora a empresa tivesse o compromisso de efetuar o pagamento até 7 de julho.

“A Naftogaz não cumpriu os prazos por não concordar com o preço estabelecido pela Gazprom”, disse a representante da empresa ucraniana, Alena Osmolovskaia, por telefone.

A Ucrânia importou 1,7 bilhão de metros cúbicos de gás russo, no valor de US$ 838 milhões, em junho.

“O prazo de pagamento antecipado para o abastecimento de junho expirou ontem, não recebemos nenhum dinheiro da Naftogaz da Ucrânia. Como resultado, a dívida da Ucrânia com a Gazprom pelo fornecimento de 1,7 bilhão de metros cúbicos chegou a US$ 838 milhões entre 1 e 16 de junho. A dívida total foi elevada a uma soma gigantesca de US$ 5,29 milhões”, declarou o presidente-executivo da estatal russa.

“Além disso, os 11.535 bilhões de metros cúbicos de gás russo continuam sem pagamento. Essa é uma quantidade enorme em comparação com o fornecimento anual de gás russo para a Polônia. A falta de disposição da Ucrânia em pagar pelo fornecimento de gás se tornou crônica e prova mais uma vez que a transferência para pagamentos antecipados estipulada no contrato é a única decisão correta”, acrescentou Miller.

Em 16 de junho, a Gazprom suspendeu o fornecimento de gás à Ucrânia devido à falta de pagamento antecipado para o abastecimento em junho.

 

Publicado originalmente pela agência Itar-Tass

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.