Governo reduz investimento mínimo para abertura de cassinos na Crimeia

A principal alteração no projeto de lei que regulamenta a criação da zona econômica especial na Crimeia consiste no cancelamento do valor mínimo de investimento Foto: Alamy / Legion Media

A principal alteração no projeto de lei que regulamenta a criação da zona econômica especial na Crimeia consiste no cancelamento do valor mínimo de investimento Foto: Alamy / Legion Media

Empresas nacionais e internacionais terão que fazer aplicação mínima de US$ 14,7 mi para abrir estabelecimentos na península.

Para desenvolver a indústria de jogos na recém-anexada península da Crimeia, as autoridades russas estão se baseando na experiência dos Estados Unidos, que construiu áreas de entretenimento e jogos de azar em locais afastados, tais como Las Vegas. O investimento mínimo, estipulado em US$ 14,7 milhões, evitará a abertura de estabelecimentos com apenas caça-níqueis.

“O valor não será empecilho para os investidores de grande porte dispostos a atuar na indústria de jogos”, diz Dmítri Rannev, diretor-geral da agência financeira GKFX. “Por exemplo, o valor total das primeiras etapas da construção de Azov-City, o maior cassino russo, superou 23,3 milhões de dólares.”

Desde 1o de julho de 2009, a legislação russa permite o funcionamento de cassinos e quaisquer outros negócios ligados a jogos em quatro regiões específicas do país: Krasnodar, no sul do país; no Krai do Litoral; na unidade de federativa de Kaliningrado e na região de Altaí, no centro da Rússia.

Na contramão da Rússia

Na véspera da publicação do projeto da lei em questão, as autoridades da União Europeia anunciaram a proibição da entrada de produtos fabricados na península de Crimeia nos territórios dos Estados-membros. Segundo os especialistas, os produtores e exportadores de vinhos e produtos petroquímicos serão os principais afetados pelo embargo.

“O fato de o governo escolher regiões inteiras em vez de autorizar a abertura de cassinos apenas em municípios específicos foi um evento inédito”, diz Rannev, acrescentando que a inclusão da Crimeia representa um diferencial em relação às demais áreas. “O potencial de Crimeia e da cidade de Sevastopol supera o de qualquer outra área de jogos devido à existência de infraestrutura, recursos humanos, constante fluxo de turistas e uma ótima base para o desenvolvimento do setor de hotelaria”, explica.

Incentivo para integração

A futura área de jogos de azar fará parte de uma zona econômica especial criada na península, cujos residentes já estão usufruindo dos benefícios jurídicos e fiscais, incluindo a isenção de impostos sobre o consumo de água e sobre os lucros, assim como a suspensão do pagamento de tributos sobre imóveis e meios de transporte pelos próximos dez anos.

A principal alteração no projeto de lei que regulamenta a criação da zona econômica especial na Crimeia consiste no cancelamento do valor mínimo de investimento que dá direito ao título de residente da região. Pela proposta inicial, essa licença só poderia ser atribuída a investidores que injetassem um valor superior a US$ 4,4 milhões na economia da península ao longo de três anos. Porém, os legisladores acabaram desistindo das suas intenções de fixar um preço de entrada.

“Acreditamos que a Crimeia vai muito além de uma simples zona de jogos de azar. A criação da zona econômica especial em seu território permitirá aumentar o fluxo dos investimentos privados na região”, explica Rannev.

A criação de uma zona econômica especial na península também promete ser uma das ferramentas mais eficientes para a integração da península à economia russa. “A principal tarefa do governo consiste no aumento de atrativos da região para os potenciais investidores e na criação de estímulos capazes de induzir o fluxo de capital privado para o seu desenvolvimento econômico”, afirma Maksim Kliáguin, analista da consultoria Finam Management. “O apoio financeiro do governo, além de não ser suficiente para o rápido crescimento da região, poderia sobrecarregar o orçamento federal.”

Apesar de a medida ser capaz de atrair investidores, ainda não há fundamento para quaisquer previsões de sucesso após a sua aprovação. “Além das ótimas perspectivas para o futuro lucro, os negócios comerciais exigem uma base estável. Mas, assim que a situação na Crimeia se regularizar, o volume de investimentos na região poderá crescer”, sugere Vassíli Ukharski, analista de macroeconomia da agência de investimentos UFS IC.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.