Milionários russos provocam boom no mercado de arte

“Igreja em Alupka”, de Aristakh Lentulov Foto: Rex Features/Fotodom

“Igreja em Alupka”, de Aristakh Lentulov Foto: Rex Features/Fotodom

No passado, o principal produto no mercado de pinturas russas eram as obras do século 19, a era dourada do realismo na Rússia. Agora, os compradores prestam mais atenção às obras do século 20.

Em 2004, o bilionário russo, Víktor Vekselberg, adquiriu os nove lendários ovos de Páscoa imperiais de Fabergé da coleção Forbes por mais de US$ 100 milhões. De acordo com o chefe do departamento de objetos russos de Sotheby’s, Darin Bloomquist, isso multiplicou a participação russa das leilões no Reino Unido.

Durante os últimos dez anos, a Casa Sotheby’s vendeu quase US$ 1 bilhão de arte russa. Durante os últimos cinco anos, o número de licitantes quase duplicou. O boom de arte russa também alcança outros leilões: na última década, as vendas de arte russa na Chistie’s cresceram 35% a cada ano.

O diretor da sociedade de leilão MacDougall’s, William Macdougall, afirma que a principal razão para esse crescimento é a “nova riqueza na Rússia”.

Regresso à casa

Durante a era revolucionária, os Fabergés e outras obras de arte foram exportadas da Rússia em segredo, um êxodo do patrimônio cultural do país que continuou durante o período soviético. Hoje, a maioria da arte russa sai de coleções ocidentais privadas, onde foi preservada durante os últimos 70 anos, e é vendida em Londres aos colecionadores russos que voltam esse patrimônio para a Rússia.

“Trinta anos atrás os ocidentais adquiriram obras russas, mas agora os russos têm mais dinheiro. Os preços eram relativamente baratos, os russos começaram a comprar e os preços começaram a crescer”, disse MacDougall.

“Madonna Laboris” Foto: Rex Features/Fotodom

Em 2013, em Londres, o leilão Bonham’s estabeleceu um recorde: o preço da pintura russa “Madonna Laboris”, de Nikolai Roerch, de 1931, ultrapassou 7,9 milhões de libras. Recentemente, a Casa Sotheby’s vendeu um retrato de família do mestre de vanguarda Pitor Kontchalóvski por 4,67 milhões de libras.

Gosto moderno

No passado, o principal produto no mercado de pinturas russas eram as obras do século 19, a era dourada do realismo na Rússia. Agora, no entanto, os compradores prestam mais atenção às obras do século 20. "Parece que o mercado está se movendo em direção às obras modernistas, se afastando das pinturas mais canônicas e tradicionais de Wanderers e Iliá Répin ", diz Sophie Lei, da Casa de Bonham.

A diretora do departamento de arte russo da Casa Chisties’s , Sarah Manfield, diz que entre cinco e dez anos atrás as obras do século 19 eram os mais populares. “No entanto, recentemente, a Casa Christie’s conseguiu vender obras inovadoras dos vanguardistas russos por preços fantásticos”, diz Manfield.

“Natureza Morta com Frutas” Foto: AP

Entre eles estão “Natureza Morta com Frutas”, de Iliá Machkov, que foi vendida na Casa Chistie’s por 4,77 milhões de libras, e “Igreja em Alupka”, de Aristakh Lentulov, cujo preço ultrapassou 2,1 milhões de libras.

Realismo

Talvez o mais surpreendente é o crescente interesse na arte realista soviética, que cada vez está  melhor representada nos leilões e nas exposições.

Um dos pintores soviéticos mais populares hoje é Aleksandr Deneika, que aplicou um desenho às representações idealizadas de trabalhadores e atletas.

O “Jovem Desenhista”, de Deineka, é a estrela do próximo leilão na Semana de Arte Russa da Sotheby’s. Os organizadores planjam vender a obra por algo entre 2 e 3 milhões de libras.

A crescente popularidade dos temas soviéticos também se estende à porcelana, com uma figura da era de Stálin, "Pioneiro com Tambor”, com preço que deverá alcança 35 mil libras.

Um dos pintores soviéticos mais populares hoje é Aleksandr Deneika, que aplicou um desenho às representações idealizadas de trabalhadores e atletas Foto: RIA Nóvosti

“Fabergé e outros objetos únicos continuam a ser populares, mas agora os compradores são mais sábios, prestam mais atenção à qualidade", diz Helen Culver Smith, do departamento de arte russa na Christie’s, em Londres.

"Os colecionadores são exigentes e procuram obras de proveniência aristocrática real ou imperial", diz Smith.

Na Casa Sotheby’s, um leilão de objetos que pertenciam a grã-duquesa Maria Pávlovna, alcançou 7 milhões de libras em vendas, sete vezes mais do que se esperava.

De acordo com especialistas, a maioria dos que compram pinturas e porcelana russas no Reino Unido são russos, enquanto os ocidentais geralmente estão mais interessados no mundialmente famoso Fabergé.

"Quando falamos de vanguardistas russos, é preciso sublinhar que artistas como Natália Gontcharova, El Lissítski e Vassíli Kandínski atraem tanto os compradores ocidentais como russos", diz o diretor do departamento de pinturas russas da Casa Sotheby’s, Frances Asquith.

Embora a economia russa tenha sofrido uma crise nesta primavera, as casas de leilão e os compradores afirmam que isso terá pouco impacto sobre os próximos leilões. "Os russos investem na sua cultura nacional", diz MacDougall. "A tradição dos grandes colecionadores está de volta", completou. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.