Governo confirma desaceleração de 0,5% do PIB no primeiro trimestre

A continuação da crise política russo-ucraniana seria capaz de diminuir a acessibilidade do crédito, aumentar o prêmio de risco e refluxo de investimentos Foto: Kommersant

A continuação da crise política russo-ucraniana seria capaz de diminuir a acessibilidade do crédito, aumentar o prêmio de risco e refluxo de investimentos Foto: Kommersant

O Ministério de Desenvolvimento Econômico da Federação Russa anunciou desaceleração do crescimento da economia nacional de 0,5% no primeiro trimestre de 2014.

O ministro de Desenvolvimento Econômico, Aleksêi Uliúkaev, afirmou que o órgão não descarta a possibilidade de recessão econômica do país no primeiro semestre deste ano, caso aconteça a diminuição do PIB também no seu segundo trimestre.

"Teremos certeza disso apenas no final de junho. Na pior das hipóteses, as tendências negativas registradas no início do ano serão mantidas no segundo trimestre. Nos primeiros três meses de 2014, o crescimento econômico da Rússia sofreu uma baixa de 0,5% levando em consideração a época do ano desfavorável", comentou ministro em entrevista à imprensa.

Ele ressaltou que os dados não levam em consideração a possível influência das sanções aplicadas pelos Estados Unidos e União Europeia à Rússia.

"Não podemos calcular os danos causados pelos limites econômicos impostos pelos países ocidentais", acrescentou o político.

De acordo com as previsões do ministério, no curto e médio prazo, o país teria os recursos suficientes para compensar a maior parte de perdas causadas pelas sanções, porém, caso elas sejam prolongadas, o possível déficit orçamentário poderá reduzir o desenvolvimento tecnológico do país devido à falta de acesso às tecnologias importadas, ausência de novos investimentos e práticas inovadoras.

A continuação da crise política russo-ucraniana seria capaz de diminuir a acessibilidade do crédito, aumentar o prêmio de risco e refluxo de investimentos, cujas possíveis consequências incluem o enfraquecimento do rublo, o crescimento de inflação e a redução da confiança no mercado consumidor.

O ministro confirma o efeito negativo causado pela espera pelas possíveis sanções ao clima de investimentos na economia da Federação Russa.

"Não temos nenhuma dúvida de que o presente fenômeno contribui à tendência negativa de investimentos no capital social das empesas russas, que no primeiro trimestre caiu", ressaltou Uliúkaev.

No início de maio, as previsões de recessão econômica no primeiro semestre do ano coincidiram com os relatórios do Ministério de Finanças, que não descartam a possibilidade de redução do PIB em dois trimestres consecutivos.

Previsões corretas

A desaceleração do crescimento econômico recentemente confirmada pelo governo russo foi registrada pelos analistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) ainda no final de abril. De acordo com o relatório do FMI, a previsão de crescimento do PIB nacional feita no início do mês até o seu final baixou de 1,3% para 0,2%.

Além disso, o inquérito dos analistas realizado pela agência Bloomberg revelou que a probabilidade de a Rússia entrar em recesso no decorrer dos próximos 12 meses devido às possíveis sanções econômicas provocadas pelo conflito na Ucrânia subiu para 50%, um recorde absoluto.

Os principais motivos de desaceleração do crescimento da economia nacional citados anteriormente incluem o refluxo de investimentos, que permanecerá alto, assim como o enfraquecimento do rublo, que reduzirá o consumo popular.

 

Com informações do newsru.com e do Kommersant

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.