Navios russos vão patrulhar área do Grande Canal Interoceânico

Canal da Nicarágua será o mais profundo, largo e longo do mundo Foto: Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia

Canal da Nicarágua será o mais profundo, largo e longo do mundo Foto: Ministério dos Negócios Estrangeiros da Rússia

Durante a recente visita do ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Serguêi Lavrov, à Nicarágua foram discutidas as perspectivas de cooperação bilateral. O mais importante projeto entre os países é o chamado Grande Canal Interoceânico, uma alternativa ao Canal do Panamá.

Em visita oficial à Nicarágua, Lavrou assinou um acordo especial com as autoridades locais, permitindo que aviões e navios militares russos prestem serviço em suas águas territoriais, bem como realizem o patrulhamento junto à costa do país no Oceano Pacífico e no mar do Caribe até 30 de junho de 2015.

“Depois de prolongadas reflexões, a Rússia finalmente concordou em tomar parte na construção do canal que promete ser a maior rede de transporte do hemisfério Ocidental. Dessa forma, os EUA perderão uma parte significativa do controle sobre esse território, que eles exerceram durante os últimos cem anos, graças ao Canal do Panamá”, disse Emil Dabaghian, pesquisador do Instituto da América Latina da Academia de Ciências Russa, à Gazeta Russa.

A nova hidrovia artificial, que irá se estender por 286 km (contra os atuais 81,5 km do Canal do Panamá), começará a ser construída no final do ano, conforme estipulado pelo acordo tripartido entre as autoridades da Nicarágua, Rússia e China. A entrega da obra concluída está prevista para 2029.

A verba para realização do projeto, estimada em 40 bilhões de dólares, dependerá sobretudo do grupo chinês HKND, que recebeu a concessão por um período de cem anos para a abertura e operação do canal.

A principal vantagem dessa rota é a largura de 83 metros e a profundidade de 27,5 metros, o que irá permitir a passagem de embarcações da classe superpesada, com um deslocamento de água de até 270 mil toneladas. Em comparação com seu análogo no Panamá, o Canal da Nicarágua será mais profundo, largo e longo. Além disso, planeja-se a construção de dois portos, um aeroporto e um oleoduto.

Na opinião do diretor-geral do Instituto Nacional de Energia, Serguêi Pravosudov, a Rússia será beneficiada não só economicamente, mas também no aspecto geopolítico. “A América do Norte controla os pontos básicos através dos quais seguem as rotas marítimas: os Canais do Panamá e de Suez, bem como as principais rotas comerciais que passam por Singapura, Gibraltar etc. Por isso, o surgimento de uma via navegável alternativa é um desafio direto aos EUA", alega Pravosudov.

A ideia de construir um canal na Nicarágua surgiu ainda no século 19. Mas, naquela época, a situação política na América Central não era propícia devido à ocupação da Nicarágua por tropas americanas. Foi somente em setembro de 2013 que o Parlamento da Nicarágua aprovou as contas relativas à construção do canal.

Entre as perspectivas que se abrem, as autoridades nicaraguenses esperam um rápido crescimento do PIB, a expansão do mercado de trabalho, novas oportunidades para os negócios locais e receitas provenientes da exploração do canal.

Benefício limitado

O cientista político Konstantin Simonov acredita que o projeto é muito arriscado. De acordo com ele, o canal não é tão necessário à Rússia, quanto é para a China, para exportar e importar mercadorias por uma rota mais curta. “A Rússia tem o seu próprio itinerário, a Rota do Mar do Norte, que permite levar os navios para a Europa e a Ásia através do Ártico”, diz.

Na opinião de Aleksêi Rei, chefe do Instituto dos EUA e do Canadá coligado à Academia de Ciências Russa, a expansão das possibilidades da Rota do Mar do Norte encontra-se na esfera dos interesses diretos da Rússia. “Do ponto de vista econômico, talvez isso fosse ainda mais rentável do que a construção do Canal da Nicarágua”, garante o especialista. 

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.