Gazprom inicia extração de petróleo no Ártico

O campo de extração está localizado a 60 km da costa, no mar de Pechora Foto: Gazprom

O campo de extração está localizado a 60 km da costa, no mar de Pechora Foto: Gazprom

Gigante estatal expediu o primeiro carregamento de petróleo produzido em Prirazlomnaia, a única plataforma de extração do hidrocarboneto em escala industrial no Ártico. Produto extraído pertence à nova categoria Arco (óleo ártico, na sigla em inglês), e, para transportá-lo, companhia construiu dois petroleiros que receberam o nome de atores famosos.

Na contramão dos protestos em larga escala, incluindo a organização Greenpeace, a Rússia conseguiu finalmente implementar seu projeto petrolífero no Ártico. O volume do primeiro carregamento de petróleo chegou a 70.000 toneladas.

“Esse hidrocarboneto bruto requer um processamento de alta tecnologia. Ele é melhor e mais barato do que o petróleo extraído nos Urais e nos campos europeus. Existe uma grande demanda por petróleo desse tipo”, diz o analista sênior da empresa UFS, Iliá Balakirev.

As reservas do depósito ártico possuem um total de 71.960.000 toneladas, e a taxa de extração prevista é de 6.000.000 toneladas ao ano. Estima-se, portanto, que o campo permanecerá ativo por, pelo menos, dez anos.

Como as reservas são pequenas, Balakirev não espera qualquer problema com a venda do petróleo, já que não influenciará significativamente nos preços gerais, abaixando a margem de lucro na extração. O projeto prevê o preço mínimo do barril a US$ 80.

De acordo com a assessoria da Gazprom, o primeiro comprador do petróleo ártico é uma das maiores empresas de energia da Europa, e a extração foi contratada de modo direto. O produto extraído será entregue no terminal Arco, do porto de Roterdã.

Segurança garantida

O campo de extração está localizado a 60 km da costa, no mar de Pechora, o que torna a acesso ao hidrocarboneto um verdadeiro desafio.

Mesmo assim, a Gazprom garantiu que as características do projeto fornecem total segurança durante a obtenção, transporte e armazenamento do petróleo. O hidrocarboneto extraído é armazenado em compartimentos especiais com capacidade para até 94 toneladas. Em caso de vazamento, o sistema de segurança é acionado em 7 segundos, bloqueando a passagem do produto.

Além disso, o lugar de transferência do petróleo para os navios-tanque é variável e determinado conforme os parâmetros das condições do mar, velocidade do vento, correntes marítimas e espessura do gelo. Para tanto, foram construídos dois novos petroleiros capazes de navegar em determinadas condições de gelo: Mikhail Ulianov e Kirill Lavrov. Uma base especial de emergência foi também construída nas margens próximas ao local de extração.

Fator político

A produção na plataforma de Prirazlomnaia representa um dos projetos russos mais caros na área de petróleo e gás. As despesas para sua implementação já ultrapassaram a marca de US$ 2,5 bilhões, em quase 20 anos de construção.

O projeto estava atrasado desde 2004, mas, devido à intensificação da “corrida ao Ártico”, os esforços acabaram sendo acelerados. Apesar de o campo ter sido descoberto em 1989, a plataforma marítima de extração só foi instalada em agosto de 2011, e a produção final começou em 2013.

 “Em termos de navegação e de logística, a extração do óleo ártico parece ser a solução mais eficaz. Espera-se que, após o aumento na produção, a empresa consiga estabelecer contratos de longo prazo”, conta Balakirev, acrescentando que, no primeiro trimestre de 2014, a Gazprom estabeleceu contatos com refinarias Arco no noroeste da Europa.

O especialista reconhece, entretanto, que a produção de petróleo na região possui caráter político, uma vez que a Rússia reivindica regiões do Ártico. Atualmente, os projetos para desenvolver a plataforma ártica estão em diversos níveis e estágios e são conduzidos principalmente pelas empresas Shell, Statoil, ExxonMobil, ConocoPhilips e BP. Mas a Gazprom pretende ser a única exportadora de petróleo ártico no mundo.

“Para a Rússia, a produção de petróleo a partir de Prirazlomnaia é, em grande parte, um projeto político, e não somente econômico. Ela compreende o Ártico como uma zona de interesses prioritários e quer limitar a crescente influência dos países ocidentais na região”, concorda o analista da companhia Finam, Anatóli Vakulenko. O governo russo planeja instalar um total de 25 de plataformas semelhantes no Ártico.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.