Rublo cai, mas consumo aumenta

Os russos com uma renda média de US$ 800 por pessoa preferem reduzir as despesas diárias Foto: ITAR-TASS

Os russos com uma renda média de US$ 800 por pessoa preferem reduzir as despesas diárias Foto: ITAR-TASS

Se em 2013, o humor da população caiu junto com o índice de confiança do consumidor (que havia caído 11% no final do ano passado, de acordo com Estatística do Serviço Federal), nesse ano os russos se sentem mais confiantes.

De acordo com o Sberbank, o banco estatal da Rússia, o "índice do consumidor Ivanov" aumentou pela primeira vez desde o início de 2013. Trata-se de um indicador composto, que de acordo com especialistas reflete o comportamento de um representante típico da classe média russa (daí o uso do típico sobrenome russo Ivanov).

O índice é calculado com base em uma pesquisa realizada com 2.300 russos de diferentes cidades. Se em 2013, o humor da população caiu junto com o índice de confiança do consumidor (que havia caído 11% no final do ano passado, de acordo com Estatística do Serviço Federal), nesse ano os russos se sentem mais confiantes.

O “índice Ivanov”, medido em bases nacionais, cresceu 2%. Os especialistas descreveram o humor geral do “Ivanov médio” da seguinte maneira: o chefe de família começou a ganhar mais –ao longo dos últimos seis meses seus rendimentos médios aumentaram 3%; “Ivanov” espera o crescimento das receitas das empresas, e a taxa de desemprego entre seus amigos caiu 0,8%.

A situação relativamente estável pode levar ao aumento dos gastos. De acordo com varejistas, uma reorientação da demanda tornou-se uma das principais tendências dos últimos meses.

Os russos com uma renda média de US$ 800 por pessoa preferem reduzir as despesas diárias. Assim, 55% dos entrevistados começaram a comprar produtos mais baratos, inclusive os produzidos por marcas próprias de supermercado. Ao mesmo tempo, no contexto da economia de artigos básicos de orçamento familiar, a classe média começou a realizar compras grandes, especialmente os de aparelhos técnicos e eletrônicos, cujo índice aumentou 6%.

Quanto aos grupos de cidadãos mais ricos, que também pertencem à classe média, eles preferem aproveitar a desvalorização comprando carros e imóveis. 

Classe média

Na Rússia, a classe média é proporcionalmente menor do que na Europa, de apenas cerca de 25% da população. Nas cidades grandes, a taxa é diferente e pode atingir de 50% a 60%. De acordo com analistas da organização não governamental de pesquisas Centro Levada, em geral, os russos altamente qualificados pertencem à classe média. Sua renda mínima é de US$ 1.300 por pessoa por mês.

“O nível bastante elevado de renda permite ter não só um carro, como também imóveis e fazer viagens para o exterior”, diz o chefe do Departamento de Estudos Sociais e Políticos, Natalia Zorkaia.

No entanto, uma abordagem diferente das estatísticas russas permite incluir na classe média não só os russos com ganhos de cerca de US$ 800, como também aqueles com renda familiar de US$ 4.000 a US$ 10 mil (segundo a Forbes).

De acordo com concessionárias da Audi na Rússia, uma forte queda do rublo só aumentou a demanda por carros da marca alemã. BMW, Mercedes, Jaguar e Land Rover também esperam aumento nas vendas. Na Volvo, espera-se crescimento de 10%. Esse otimismo é explicado pela dinâmica de crescimento da demanda de 10% a 15% por veículos BMW, Mercedes, Jaguar Land Rover, observada desde o início de ano.

Imóveis

A segunda grande aquisição mais popular entre os russos são os imóveis.

“Durante os três primeiros meses de 2014, a atividade de compra foi extremamente elevada”, diz Maria Litinetskaia, diretora geral da Grupo Metrium.

De acordo com estatísticas do primeiro trimestre, a demanda no segmento dos apartamentos de classe econômica e de conforto em edifícios novos aumentou de 30% a 40%. No segmento de apartamentos em geral, de 20% a 30%. Segundo a especialista, uma demanda forte foi observada até mesmo em janeiro, um mês que tradicionalmente é caracterizado como um período passivo por causa de feriados.

“Em janeiro, as vendas dos projetos mais exitosos de classe econômica e conforto aumentaram de 10% a 15% em relação ao início do ano”, diz  Litinetskaia .

“O mercado imobiliário para muitas pessoas é uma maneira de guardar dinheiro”, diz Vadim Lamin, sócio-gerente da Spencer Estate.

No entanto, os russos encontraram o dinheiro não só para realizar compras, como também para guardar para um período de vacas magras. De acordo com o “Índice Ivanov”, hoje em dia 18% dos entrevistados acreditam que agora é o momento para fazer poupança.

Assim, de acordo com o Banco Central da Federação Russa, os depósitos da população aumentaram 1,3%. No entanto, agora os russos preferem manter seu dinheiro não em rublos, mas em moeda estrangeira. A parte dos depósitos em moeda estrangeira aumentou de 17,5% para 20%. Atualmente, 3,4 trilhões de rublos (US$ 95 bilhões) estão depositados em moeda estrangeira.

O fato se explica pela preocupação da população com a desaceleração do crescimento econômico e com uma possível crise financeira. Nesse aspecto, as discussões desses temas na mídia também tiveram seu impacto.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.