Sanções contra a Rússia podem aumentar preço do petróleo

A redução da exportação de um país pode ser compensada através de outras fontes Foto: Shutter stock / Legion Media

A redução da exportação de um país pode ser compensada através de outras fontes Foto: Shutter stock / Legion Media

Limitação no fornecimento de tecnologias para exploração do combustível também podem afetar produção russa para o mercado mundial.

O preço do petróleo nos mercados mundiais em 2014 dependerá de vários fatores. Se a União Europeia (UE) avançar com sanções prejudiciais à indústria petrolífera russa, influenciará os volumes de fornecimento e fará subir os preços do combustível.

No entanto, é improvável que os países da UE alcancem consenso quanto à aplicação de medidas tão drásticas.

Mesmo assim, Bruxelas e os Estados Unidos podem limitar o fornecimento à Rússia de altas tecnologias para o setor petrolífero, o que também poderá conduzir, numa perspetiva de médio prazo, à queda da produção e alta dos preços nos mercados mundiais.

Caso algum desses fatores aconteça, é possível que ocorram oscilações dos preços do barril, com variações em torno de US$ 3.

Um dos fatores importantes para a subida dos preços do petróleo poderá ser a adesão do Irã ao mercado global, caso o país e o Conselho de Segurança da ONU cheguem a um acordo sobre o programa nuclear e sejam suavizadas as sanções contra Teerã. A situação na Síria também poderá acelerar a subida dos preços, no caso de uma possível intervenção militar dos EUA e seus aliados.

Quanto ao Iraque, acredita-se que a médio prazo irá crescer a exploração de petróleo no país, mas é cedo para ter certeza. Será arriscado afirmar que os iraquianos influenciarão, em 2014, os preços nos mercados mundiais. No futuro, o Iraque pode modernizar sua infraestrutura petrolífera e aumentar o volume de exportação de petróleo. Uma das condições para esse aumento seria a confirmação de cotas iraquianas pela Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEC).

O mercado petrolífero global pode ser facilmente diversificado. A redução da exportação de um país pode ser compensada através de outras fontes. Líbia e Argélia não influenciam sensivelmente os preços do petróleo no mercado atual. A produção petrolífera líbia desacelera consideravelmente, tendo em conta as reais potencialidades do país. A situação política nas zonas das jazidas petrolíferas mais importantes continua tensa, e os pequenos volumes de petróleo ali produzidos não mexerão com os preços praticados globalmente.

 

Publicado originalmente pela Rossiyskaya Gazeta

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.