A Rússia precisa do petróleo da Crimeia?

Possibilidade de compra da Chernomorneftegaz não foi comentada pela Gazprom e pela Rosneft Foto: RIA Nóvosti

Possibilidade de compra da Chernomorneftegaz não foi comentada pela Gazprom e pela Rosneft Foto: RIA Nóvosti

As autoridades da Crimeia querem nacionalizar a produtora de gás natural Chernomorneftegaz e, em seguida, vender os ativos para a Rússia. A Gazprom e a Rosneft recusam-se a discutir a situação. Os depósitos da Chernomorneftegaz podem ser objeto de uma disputa territorial entre a Crimeia e a Ucrânia.

As autoridades da Crimeia querem nacionalizar totalmente os bens da Chernomorneftegaze depois vendê-la para uma empresa estatal russa, como a Gazprom, declarou recentemente o presidente do Parlamento da Crimeia, Vladimir Konstantinov. Em uma entrevista à agência de notícias “RIA Nóvosti”, Konstantinov declarou:

"Esses depósitos são nossos e nós vamos lutar por eles." Ao mesmo tempo, ele afirma que "é preciso que a Rússia e a Gazprom se ocupem da extração de petróleo e gás, pois esse não é o nosso tema".

Atualmente, a Chernomorneftegazpertence integralmente à Naftogaz, da Ucrânia. A empresa possui 17 licenças, e a maior parte da produção vem da plataforma continental noroeste da Crimeia. No ano passado, a produção aumentou em 40%, chegando a 1,6 bilhões de metros cúbicos, o que representa cerca de 90% das necessidades de gás da península. Também pertencem à Chernomorneftegazo Depósito Subterrâneo de Glebovskoie, com capacidade de armazenar 1 bilhão de metros cúbicos de gás, 1.300  quilômetros de rede de gás, uma frota de 29 navios para atender as plataformas de extração e uma base naval de reparos.

A empresa realiza uma prospecção geológica ativa na plataforma continental e, no próximo ano, pretende aumentar a produção para 2,4 bilhões de metros cúbicos. A principal base para o crescimento da produção são os depósitos da plataforma continental noroeste da Crimeia, especificamente os depósitos de Odessa e de Bezimiannoie.

No entanto, geograficamente, eles estão localizados mais perto da costa da Ucrânia do que do litoral da Crimeia, e Kiev pode reivindicá-los, mesmo em caso de separação da península. O diretor científico do Instituto de Economia Ambiental da Escola Superior de Economia, Aleksandr Bagin, observa que as fronteiras territoriais da plataforma são determinadas com base na Convenção da ONU sobre direito marítimo e asseguradas por um acordo intergovernamental. Advogados que trabalham com direito marítimo preferiram não comentar sobre as possíveis consequências da separação da Crimeia no que se refere às fronteiras da plataforma continental.

Improvável

A possibilidade de compra da Chernomorneftegaz não foi comentada pela Gazprom e pela Rosneft. De acordo com Aleksêi Kokin, da empresa de corretagem Uralsib Capital, a revenda da Chernomorneftegaz para uma grande empresa estatal russa é improvável devido aos grandes riscos legais, inclusive para as atividades dessas empresas no exterior.

Entretanto, a Rosneft detém licenças referentes aos depósitos situados na parte oriental do Mar Negro, todos em estágio de desenvolvimento. Além disso, as empresas estrangeiras Chevron, Exxon Mobile e Total estão envolvidas nesse trabalho. 

De acordo com o que a diretora geral da empresa de consultoria Miraville Group, Natália Lebedeva, contou para a Gazeta Russa, o gás que será produzido no Mar Negro provavelmente irá para a Europa Oriental através do gasoduto South Stream. Também é possível que ele vá para a Turquia, por meio do gasoduto Blue Stream.

Quanto à pergunta: será que a Rússia precisa da Chernomorneftegaz? Na opinião de Lebedeva, isso é mais uma questão política do que de vantagens econômicas.

 

Publicado originalmente pelo Kommersant

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.