Oligarcas perderam US$ 12,8 bilhões em “segunda negra”

O colapso das cotações na Bolsa de Valores de Moscou e em outros mercados internacionais se deu após a decisão do Conselho da Federação de atribuir ao presidente russo, Vladímir Pútin, o direito de enviar tropas para a Ucrânia Foto: ITAR-TASS

O colapso das cotações na Bolsa de Valores de Moscou e em outros mercados internacionais se deu após a decisão do Conselho da Federação de atribuir ao presidente russo, Vladímir Pútin, o direito de enviar tropas para a Ucrânia Foto: ITAR-TASS

Queda histórica de ações russas e ucranianas foi registrada após anúncio de possível envio de tropas à Ucrânia.

De acordo com a Bloomberg, as 300 pessoas mais ricas do mundo perderam 44,4 bilhões de dólares na segunda-feira passada (3). O mercado de ações russo caiu 12%, provocando um prejuízo de 12,8 bilhões de dólares para os milionários russos e ucranianos.

Os acionistas da Novatek, Guennádi Timtchenko e Leonid Michelson, foram os que mais sofreram com os efeitos da queda. Juntos, os proprietários da segunda maior produtora de gás natural na Rússia perderam US$ 2,5 bilhões, depois de ações da empresa despencarem 18%.

Em segundo lugar ficou Vladímir Lissin, um dos proprietários de metalúrgica na cidade de Lipetsk, que perdeu 1,2 bilhões de dólares da sua fortuna estimada em 16,6 bilhões. Na sequência vieram Vaguit Alekperov, presidente da Lukoil (US$ 960 milhões de prejuízo); o homem mais rico da Ucrânia, Rinat Akhmetov (US$ 700 milhões); e o empresário russo Alisher Usmanov (US$ 654 milhões).

O colapso das cotações na Bolsa de Valores de Moscou e em outros mercados internacionais se deu após a decisão do Conselho da Federação de atribuir ao presidente russo, Vladímir Pútin, o direito de enviar tropas para a Ucrânia.

Na terça-feira (4), as cotações compensaram cerca de metade das perdas ocorridas no dia anterior.

 

 

Com materiais da Bloomberg e Forbes

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.