Rússia perdoa 90% de dívida norte-coreana da época da URSS

A Rússia continua a conceder empréstimos a outros países, geralmente aos Estados mais próximos Foto: Konstantin Zavrájin/RG

A Rússia continua a conceder empréstimos a outros países, geralmente aos Estados mais próximos Foto: Konstantin Zavrájin/RG

Reestruturação da dívida norte-coreana segue modelo da de outros países do antigo bloco socialista. "Esses tipos de créditos foram concedidos durante a época soviética, geralmente por razões políticas, em condições muito favoráveis, independentemente da possibilidade dos devedores de pagarem a dívida no prazo previsto” explica o especialista do banco BCS Premier, Anton Chabanov.

O governo da Rússia apresentou à Duma (câmara baixa do parlamento russo) um projeto de lei para ratificar um acordo entre a Federação Russa e a República Popular Democrática da Coreia sobre a regularização de uma dívida da época soviética.

A dívida, que foi expressa em rublos soviéticos, foi convertida em dólares norte-americanos à taxa do Banco do Estado da URSS (0,6 rublos por US$ 1). Os US$ 10,96 bilhões devidos pelos norte-coreanos foram diminuídos em 90%. O restante da dívida, de US$ 1 bilhão, deverá ser pago ao longo de 20 anos através do banco Vnesheconombank e do Banco de Comercio Exterior da RPDC.

No entanto, esse dinheiro não chegará ao orçamento russo. Segundo o acordo assinado, o dinheiro será destinado “ao financiamento de projetos de saúde, educação e energia no território da Coreia do Norte.”

Condições favoráveis

Segundo Elena Plákhova, membro da direção do Corum Group, de acordo com estimativas, durante os últimos 13 anos, a Rússia perdoou as dívidas dos países do antigo bloco socialista, cujo valor total ultrapassa US$ 100 bilhões. A da Coréia do Norte é a última.

"A regularização das dívidas é praticamente o último passo para se livrar das práticas conflitantes de investimento estrangeiro da URSS", diz o analista de Investcafe, Timur Nigmatúllin.

A maior dívida perdoada pela Rússia foi a de Cuba: US$ 29 bilhões.

Esta reestruturação da dívida cubana foi realizada no ano passado, usando praticamente a mesma fórmula: 90% da dívida foi perdoada, e os restantes US$ 3,2 bilhões devendo ser pagos ao longo de 20 anos.

Entre os devedores da Rússia se encontravam o Afeganistão e o Irã, cujos dívidas ultrapassaram US$ 11 bilhões. Outros US$ 11 bilhões foram perdoadas à Mongólia. A Rússia também reestruturou as dívidas da Síria e do Vietnã (US$ 9,8 bilhões e US$ 9,4 bilhões, respectivamente).

Débitos de Etiópia, Argélia, Líbia, Angola e Nicarágua (de US$ 3,5 bilhões a US$ 4,8 bilhões) também já foram reestruturados.

"Esses tipos de créditos foram concedidos durante a época soviética, geralmente por razões políticas, em condições muito favoráveis, independentemente da possibilidade dos devedores pagarem a dívida em prazo previsto” explica o especialista do banco BCS Premier, Anton Chabanov. “Precisamente por isso apareceu a necessidade de reestruturar as dívidas”, completou Chabanov.

“Normalmente, esses empréstimos foram concedidos junto com armamento para apoiar o regime”, diz Nigmatullin.

De acordo com Chabanov, é preciso entender que não se trata de um perdão absoluto das dívidas, mas de uma reformulação para obter um reembolso parcial. A perda de rendimento é sempre compensada por outros acordos econômicos.

"Além da reestruturação das dívidas, os países sempre assinam acordos paralelos. Por exemplo, quando a Rússia perdoou a dívida cubana, Cuba abriu o acesso à extração de petróleo”, explica.

Depois da reestruturação da dívida da Líbia, o país africano assinou vários contratos com a Rússia sobre construção de estradas, extração de petróleo e fornecimento de armamento.

E a Coreia do Norte é um mercado perfeito para o fornecimento de diferentes tipos de armamento e mercadoria. “Se a Rússia não tivesse reestruturado a dívida, o orçamento do país não receberia nada, tinha de se escolher de dois males o menor”, diz Chabanov.

Continuando a emprestar

A Rússia continua a conceder empréstimos a outros países, geralmente aos Estados mais próximos. Entre os principais devedores da Rússia se encontram a Ucrânia (US$ 15 bilhões), a Bielorrúsia (US$ 2 bilhões), o Chipre (US$ 5 bilhões), o Vietnã (US$ 8 bilhões), a Venezuela (US$ 4 bilhões), a Islândia (US$ 5,7 bilhões) e muitos outros.

"Até os Estados Unidos devem dinheiro para a Rússia. A dívida desse país com a Rússia equivale a cerca de 3% de toda a dívida pública dos Estados Unidos (cerca de US$ 150 bilhões). A Rússia ocupa a 8ª posição na lista de credores dos Estados Unidos", diz Chabanov.

No entanto, no mundo contemporâneo, o mercado de dívidas governamentais tem sólidos mecanismos de proteção. A compra de títulos ucranianos não é uma ajuda gratuita, mas um crédito com específicas condições de pagamento.

De acordo com o analista de Investcafe, Timur Nigmatúllin, a Ucrânia depende significativamente do fornecimento de gás russo e não está interessada em romper as condições do empréstimo.

 

Publicado originalmente pelo jornal Vzgliad

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.