Produção de soja no Brasil aquece mercado de fertilizantes

Elevada demanda mundial por potássio no início deste ano favoreceu os produtores russos Foto: Kommersant

Elevada demanda mundial por potássio no início deste ano favoreceu os produtores russos Foto: Kommersant

Nesta semana, a russa Uralkali, maior produtora de potássio no mundo, deve assinar um contrato com a China, e o preço acordado será, no mínimo, US$ 20 a mais por tonelada do que tinha sugerido por Pequim. Preço do potássio para o Brasil também pode aumentar a partir de março e disseminar tendência por outras regiões do mundo.

De acordo com o jornal “Kommersant”, o acordo entre a Uralkali e as autoridades chinesas deve ser fechado antes do Ano Novo Chinês, celebrado no próximo dia 30. Estima-se que o preço de venda gire em torno de US$ 300-320 por tonelada. Durante as negociações, a parte russa insistiu em fechar a US$ 330, enquanto os chineses foram relutantes para manter o valor de US$ 280-290 por tonelada.

A ideia é que o acordo seja “compatível” com os índices de 2013, afirmam os negociados. No ano passado, a China comprou 700 mil toneladas de potássio, conforme estipulado pelo contrato principal, além de 300 mil toneladas adicionais no primeiro trimestre. Em julho passado, foi assinado um novo contrato para o fornecimento de 500 mil toneladas do produto a US$ 400 cada.

A Bielorruskali, ex-parceira da Uralkali, estaria dificultando as negociações atuais, por ter cortado 12% da produção em 2013. No momento, a empresa está procurando um mercado para vender o produto acumulado nos armazéns, que chega a quase 300 mil toneladas. “Por conta da reputação de fornecedor pouco confiável, as negociações com o bielorrussos serão realizados em último caso”, garantiu um dos negociadores chineses.

Brasil como exemplo

Com a alta demanda por potássio no início deste ano, os produtores tiveram a possibilidade de impor suas condições aos consumidores. Mesmo sob as novas condições, a Uralkali  já possui contratos de fornecimento de todo o volume de produção até o final de fevereiro.

Para algumas regiões, contudo, o preço do produto deve subir apenas a partir de 1o de março. Esse é o caso do Brasil, onde a tonelada de potássio será comercializada por US$ 350-360. Durante os meses de janeiro e fevereiro, o país receberá  120-150 mil toneladas de potássio por mês da Uralkali ao preço de US$ 310-320 por tonelada.

“Os consumidores perceberam que US$ 300 é o mínimo, pois o indicador principal no mercado é o contrato com a China, que tem preço custo ainda mais elevado”, explicou um representante da Uralkali.

Recentemente, o preço dos fertilizantes de nitrogênio e fósforo também cresceu US$ 40-50 por tonelada. Konstantin Iuminov, analista do banco corporativo Raiffeisenbank, diz que o grande crescimento da demanda no mercado dos fertilizantes no Brasil é explicado pelo cultivo da soja, cuja colheita neste ano será volumosa. Segundo o especialista, o “aumento dos preços nesse poderoso mercado” estimulará processos semelhantes em outras regiões do mundo”.

 

Publicado originalmente pelo Kommersant

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.