‘Private banking’ vira tendência entre executivos russos

No mercado russo de ‘private banking’, os clientes mais experientes costumam solicitar também o serviço de conselheiro de portfólio Foto:Getty Images / Photobank

No mercado russo de ‘private banking’, os clientes mais experientes costumam solicitar também o serviço de conselheiro de portfólio Foto:Getty Images / Photobank

Serviço relativamente novo no país oferece instrumentos de investimento promissores.

O mercado russo de ‘private banking’ (gestão de pequenas fortunas) surgiu em meados da década de 1990, quando surgiu a primeira empresa privada no país. Na época, eram raros os bancos que administravam capital privado, mesmo porque o próprio sistema bancário havia acabado de ressurgir. Hoje em dia, quase todos os grandes bancos varejistas oferecem esse serviço.

De acordo com as estatísticas do Banco Central da Rússia, o volume do ‘private banking’ chega a US$ 25 milhões e cresce quase um quarto ao ano. Para dispor de tais serviços na Rússia, o cliente deve ter uma quantia entre US$ 45 mil e US$ 900 mil. Estima-se que entre 75 a 180 mil cidadãos russos tenham essa possibilidade, e o volume geral de recursos de que dispõem pode chegar a até US$ 400 trilhões.

Líderes do segmento ‘private’ na Rússia:

- Bancos estatais Sberbank, VTB-24; 

- Grandes bancos privados, como Alfa-bank, Promsvyasbank e Clube financeiro Internacional; 

- Bancos especializados no serviço de administração de capital, como M2M Private Bank; 

- Bancos estrangeiros que operam na Rússia: Deutsche Bank, Raiffeisen Bank, Citibank.

A base do ‘private banking russo’ é o modelo clássico suíço, embora existam peculiaridades nacionais. O membro do conselho de especialistas do Instituto de Planejamento Financeiro, Aleksêi Gusev, aponta que, na Rússia, o serviço é geralmente concedido como bônus a administradores de alto escalão em grandes empresas. “Nessa categoria de clientes, os serviços mais procurados estão relacionados a questões de sucessão, como venda ou reestruturação de negócios”, diz Gusev.

Entre o círculo mais amplo de clientes preferenciais, os depósitos bancários continuam sendo o tipo de transação mais comum. Depois da crise de 2008, os russos ficaram mais receosos quanto a investimentos no mercado de ações. Atualmente, os depósitos de clientes VIP correspondem a até 60% dos passivos desses bancos.

Oportunidades de investimento

Recentemente, a lista de clientes VIP vem sendo ampliada com a inclusão de representantes da indústria do entretenimento e esportistas. Entre eles, os serviços mais populares se referem à Gestão do Estilo de Vida, como a escolha de presentes incomuns, aluguel e compra de imóveis, artigos de luxo e aviões, bem como planejamento de férias.

“Por exemplo, colaboramos com diversas galerias, onde é possível adquirir obras de autores russos eminentes. O banco mesmo pode escolher algum projeto interessante, avaliar riscos e propor o investimento aos clientes”, explica Tatiana Ivanova, diretora do departamento de clientes independentes do Bank MFK.

No mercado russo de ‘private banking’, os clientes mais experientes costumam solicitar também o serviço de conselheiro de portfólio. “Os itens incluídos no portfólio de investimentos depende das preferências do cliente e de sua experiência em investimentos”, diz o chefe do departamento de gestão de capitais privados do Citibank-Rússia, Mikhail Gromov.

 

Confira outros destaques da Gazeta Russa na nossa página no Facebook

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.