O valor histórico do rublo russo

Novo símbolo oficial do rublo russo foi divulgado no último dia 11 Foto: ITAR-TASS

Novo símbolo oficial do rublo russo foi divulgado no último dia 11 Foto: ITAR-TASS

Banco da Rússia aprovou novo símbolo para o rublo, que passará a ser usado internacionalmente. A Gazeta Russa reuniu os fatos mais curiosos sobre a historia dessa moeda que teve início há mais 700 anos.

O símbolo do rublo russo não foi simplesmente imposto, mas escolhido por internautas russos em uma votação on-line conduzida pelo Banco da Rússia. Durante o mês de votação, foram dados mais de 280 mil votos, e o vencedor entre as cinco opções de símbolos recebeu aprovação de 61% das pessoas. Esse símbolo vai representar o rublo russo em etiquetas de preço e casas de câmbio, tanto dentro como fora da Rússia.

Durante sua história, que se estende por mais de 700 anos, o rublo nunca havia sido usado oficialmente em outros países. Isso só foi ocorrer recentemente, quando a livre circulação de rublo foi introduzida pela primeira vez na cidade chinesa de Suifenhe, perto da fronteira russo-chinesa. De acordo com a decisão do governo chinês, o as transações nesta cidade podem ser feitas tanto em yuans como em rublos, e ambas as moedas são igualmente aceitas em estabelecimentos comerciais.

Tal decisão institucionalizou uma prática comum na região desde os anos 1990 – Suifenhe é um ponto importante na rota para os comerciantes russos e chineses, bem como para turistas da Rússia Oriental, que chegam carregados de rublos. Outros países bem frequentados por turistas russos, como Portugal, Bulgária e Montenegro, também podem abrir as portas para o rublo em um futuro breve. Diante da ascensão internacional do rublo, vale à pena relembrar alguns momentos cruciais da moeda.

Idade Média

No início de Rússia medieval, a mineração era ainda desconhecida, de modo que as trocas comerciais eram realizadas à base de prata – pequenas moedas eram usadas para o comércio barato, e grandes quantidades eram fundidos em barras, que começaram a ser chamadas de rublos no final do século 13. Como os rublos eram muito caros (por um rublo, era possível comprar um rebanho de vacas), poucas pessoas o possuíam, e os pagamentos casuais continuavam sendo feitos principalmente com moedinhas estrangeiras.

Somente sob Piotr, o Grande, é que as primeiras moedas originais de rublo foram finalmente lançadas em 1704. Piotr foi o primeiro a introduzir as moedas decimais, que mais tarde foram adotadas pela maioria dos sistemas monetários do mundo. Mas, junto com moedas, veio também a falsificação. No século 18, foram tomadas todos os tipos de medidas para impedir a reprodução ilegal, incluindo, por exemplo, a produção de um rublo gigante de cobre com 7,5 cm de diâmetro e 3,5 cm de espessura, pesando um quilo – uma moeda rara que quase nunca foi usada, e acabou sendo arrematada por US$ 80 mil em seu mais recente leilão, em 2003.

Rublo em papel

Como as necessidades financeiras do Estado aumentaram, as notas foram introduzidas. Inicialmente, eram bem protegidas, mas sua ampla emissão rapidamente fez o valor da moeda desabar. Por isso, no século 19, havia dois padrões de rublos, um rublo de prata equivalia a aproximadamente 3 a 4 notas de rublos.

Os pagamentos importantes entre a nobreza (incluindo os pagamentos de dívida) eram feitos em rublos de prata. Ironicamente, a Rússia ainda produzia rublos de platina em 1828, depois de descobrirem o metal nos Urais. Na época, entretanto, as propriedades exclusivas da platina eram desconhecidas, motivo pelo qual era considerada muito mais barata do que a prata ou o ouro.

O rublo de ouro também existiu por um curto período de tempo entre 1897 e 1914, após a reforma monetária, que, pela primeira vez na história da Rússia, transformou o rublo em uma moeda internacionalmente competitiva.

Valor perdido

Depois da Revolução de 1917, o caos monetário se instalou. Na primeira, os bolcheviques ingenuamente planejaram abolir o dinheiro de uma forma geral - o que, é claro, era inviável. Enquanto isso, durante a Guerra Civil Russa, começaram a surgir moedas locais substitutas em diferentes partes do país.

As notas na região de Arkhanguelsk traziam a imagem de uma morsa; na Rússia Oriental, as notas eram emitidas pelo comerciante japonês Gentaro Shimada, e vinham impressas em seda; já na região da Iakútia, que não tinha muito papel à disposição, as notas foram impressas em rótulos de vinho da coleção particular de uma autoridade local.

Todas essas notas estavam perdendo o seu valor aos trancos e barrancos. Alguns anos depois, as pessoas passaram a utilizá-las como papel de parede ou embalagem. Em 1923, o rublo foi reintroduzido como moeda nacional. Durante o domínio soviético, três reformas monetárias importantes foram realizados para dar suporte à taxa do rublo.

Moeda contemporânea

Em 1992-93, foi emitido o novo rublo, estabelecendo o sistema monetário contemporâneo – neste sistema o rublo era muito mais barato do que nos tempos soviéticos. Em 1996, até mesmo os russos mais pobres contavam o seu dinheiro em milhares e milhões de rublos: um bilhete de bonde saía por mi rublos; o jornal custava 800 rublos; cada dólar americano equivalia a quase 6 mil rublos.

Durante os anos 1990, os russos começaram a chamar o rublo de “dereviannyi” (“de madeira”), indicando que, ao contrário do caríssimo rublo de ouro pré-revolução, o rublo contemporâneo não valia mais do que um pedaço de madeira.

Em meio à crise econômica de 1998, o rublo foi denominado por cem, ganhando novas notas, que deram origem ao rublo atual. Mesmo continuando barato no mercado mundial, o rublo tem boas perspectivas de se tornar uma moeda popular em conversões monetárias, e o novo símbolo promete certamente contribuir para isso.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.