Deutsche Bank prevê crescimento de 3,3% na Rússia em 2014

Situação na Rússia será influenciada principalmente pelas condições econômicas na Europa e na China Foto: Reuters

Situação na Rússia será influenciada principalmente pelas condições econômicas na Europa e na China Foto: Reuters

Segundo levantamento do banco, as reformas realizadas pelo governo russo e a melhora situação econômica mundial acelerarão o crescimento do PIB na Rússia.

O economista principal do Deutsche Bank na Rússia, Iaroslav Lisovoni, declarou no final de novembro que o crescimento do PIB do país será de 2% em 2013 e de 3,3% em 2014. Isso contradiz as previsões dos especialistas independentes, que são tradicionalmente mais duras que as previsões das autoridades estatais.

De acordo com o economista, a principal razão é a melhora da situação econômica global. O banco alemão espera um crescimento global de 2,7% em 2013 e de 3,7% em 2014. Nos EUA e no Japão, o crescimento do PIB será de 1,8% neste ano, e em 2014 alcançará 3,2% e 1%, respectivamente.

Segundo Lisovoni, a situação na Rússia será influenciada principalmente pelas condições econômicas na Europa e na China. Além disso, fatores políticos domésticos, como, por exemplo, a taxa de inflação, o congelamento de taxas dos monopólios estatais e o apoio do Banco Central para melhorar os créditos às empresas privadas também desempenharão um papel muito importante.

Previsões de crescimento da economia russa entre 2014-2017

Fundo Monetário Internacional: 3,4%

Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento Econômico: 3,6%

Ministério de Desenvolvimento Econômico da Rússia: 3,3%

“O crescimento do PIB russo deve favorecer a expansão da economia financeira e das iniciativas governamentais para promover o aumento de investimento em projetos da infraestrutura”, diz Lisovoni.

Recentemente, o Ministério do Desenvolvimento Econômico e Comércio da Rússia declarou que para apoiar a aceleração dos investimentos, o Estado deve investir as receitas do petróleo em projetos de infraestrutura, como, por exemplo, o trem de alta velocidade Moscou-Kazan, a rede ferroviária Transiberiana ou na rodovia central na região de Moscou.

De acordo com os dados da pasta, a queda de investimentos em 2013 foi causada também por razões técnicas. A petrolífera russa Gazprom, que representa aproximadamente 10% de todos os investimentos na economia russa, acabou a construção do gasoduto Nord Stream, que liga a Rússia com a Alemanha. Isso diminuiu o programa de investimentos da Gazprom em 33%.

No entanto, de acordo com o índice Doing Business do Banco Mundial, o clima de negócios na Rússia está melhorando. Neste ano, o país atingiu o 95º lugar. Uma das principais razões para isso é a reforma que simplificou o acesso à eletricidade na Rússia.

Em novembro, o ex-ministro das Finanças, Aleksêi Kúdrin, criticou o clima de investimentos no país. De acordo com ele, o principal problema da economia russa é o modelo baseado nos preços do petróleo.

"Para que o modelo de crescimento econômico da Rússia possa funcionar, os preços de petróleo devem crescer US$ 30 por ano”, declarou Kúdrin ao jornal russo “Moskóvski Komsomolets”.

Além da dependência do petróleo, os economistas russos afirmam que a atual situação econômica foi causada também pelo desequilíbrio na distribuição da riqueza. De acordo com dados do último estudo realizado pelo Instituto Credit Suisse Research, a Rússia é um dos países com maior desigualdade de salários e distribuição da propriedade.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.