Russos estão investindo mais na compra de casas no exterior

Durante os últimos anos, o número de russos que quer investir até US$ 25 mil no mercado imobiliário estrangeiro cresceu significativamente Foto: serviço de imprensa

Durante os últimos anos, o número de russos que quer investir até US$ 25 mil no mercado imobiliário estrangeiro cresceu significativamente Foto: serviço de imprensa

Há cinco anos, apenas os russos mais ricos podiam comprar uma casa com vista para o mar fora da antiga União Soviética. Hoje, muitos cidadãos de classe média compram imóveis no exterior.

O número de russos que compram suas segundas residências no exterior está crescendo constantemente. Muitos novos compradores consideram essas aquisições como um investimento. A crise financeira na zona do euro provocou uma queda de preços dos imóveis na França, Espanha, Portugal e Chipre. Os investidores, no entanto, acham que os preços se recuperarão.

Um dos destinos mais populares para a compra da segunda casa no exterior é a Bulgária. De acordo com dados do Ministério da Justiça russo, cerca de 340 mil russos já compraram casas no país. Segundo as avaliações de especialistas russos, os investimentos russos no setor imobiliário da Europa Ocidental correspondem a 20% do investimento total.

No entanto, especialistas afirmam que os investidores russos perseguem objetivos inatingíveis. De acordo com Guennádi Gudov, diretor de uma agência imobiliária que vende casas no exterior, os imóveis para investimentos e casas para férias são coisas diferentes. "Os compradores devem entender que os investimentos no setor imobiliário nunca se tornam rentáveis em um dia, é preciso ter muita paciência", diz Gudov.

Por que não comprar uma casa no território russo?

A costa do Mar Negro da Rússia tem baixa demanda devido aos preços excessivamente elevados e a uma política de investimentos desequilibrada. Além disso, imóveis e hotéis russos nessa região não oferecem o nível de conforto e serviço que pode ser comparado aos resorts estrangeiros.

A crise financeira global transformou o que antes era uma mina de ouro em uma bolha imobiliária. Os mercados imobiliários de Bulgária, Montenegro, Croácia, Chipre, Tailândia, Espanha, Turquia e Emirados Árabes Unidos, onde os russos compram casas “com vista para o mar”, estão congelados. Há muitos edifícios não vendidos e não concluídos, a compra de imóveis nesses países não é um problema, mas será impossível vender essas casas se o proprietário precisar do dinheiro rapidamente.

Os mercados imobiliários secundários são afetados pela baixa demanda devido às cada vez melhores e mais baratas ofertas de casas novas. Um apartamento de um quarto com vista para o Mar Negro na Bulgária custa cerca de US$ 20 mil. 

No entanto, de acordo com o chefe do Centro de Análise dos Índices do Mercado da Propriedade, Oleg Rêptchenko, se a crise na Europa continuar a se desenvolver, os preços dos imóveis continuarão a cair.

“Se os países da União Europeia reintroduzirem as moedas nacionais, os proprietários das casas no exterior perderão muito dinheiro”, diz Rêptchenko. "Os preços dos imóveis cairão pela metade."

No entanto, para as pessoas interessadas simplesmente em uma casa para passar férias, o mercado oferece uma infinidade de oportunidades.

Durante os últimos anos, o número de russos que quer investir até US$ 25 mil no mercado imobiliário estrangeiro cresceu significativamente. Já o número de potenciais compradores de imóveis que custam de US$ 60 mil a US$ 120 mil diminuiu.

De acordo com os especialistas do departamento russo da Federação Internacional da Propriedade Imobiliária, esta tendência começou em 2007. Isso significa que a classe média russa começou a comprar imóveis no estrangeiro para uso pessoal, e não como um símbolo de prestígio .

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.