Com crescimento abaixo do esperado, 2013 é marcado por mudanças

Segundo os dados do Banco Central da Rússia, os investimentos diretos na Rússia em 2012 ultrapassaram US$ 50 bilhões Foto: Getty Images/Fotobank

Segundo os dados do Banco Central da Rússia, os investimentos diretos na Rússia em 2012 ultrapassaram US$ 50 bilhões Foto: Getty Images/Fotobank

De acordo com o sócio responsável de Setores Regulados, Investimentos Estrageiros e Internacionalização da KPMG Espanha, António Hernández, na Rússia ainda existem várias anomalias do passado que afetam o desenvolvimento dos negócios no país.

Depois da decisão do governo de tomar uma série de medidas de estímulo, a economia russa reduziu suas expectativas de crescimento.

Segundo os dados do Instituto de Promoção do Comércio Exterior, nos primeiros seis meses deste ano, o superávit comercial diminuiu 15,4%, até 68,26 bilhões de euros. Segundo dados do Banco Central da Rússia, as exportações caíram 3,8%, e as importações aumentaram 4,4%.

Com base nessa informação, o Instituto Espanhol de Comercio Exterior (ICEX, na sigla em espanhol) publicou um documento que qualifica a situação econômica da Rússia como “relativamente boa, mas a recessão na zona do euro e a queda dos preços de petróleo representam uma ameaça para economia local”.

De acordo com o relatório anual do ICEX, depois da crise financeira de 2008 e 2009, as perspectivas econômicas na Rússia melhoraram significativamente. E 2010 e 2011, o PIB do país cresceu 4% e 4,3%, respectivamente . No entanto, em 2012, a recessão internacional se tornou notável, a taxa de crescimento do PIB caiu quase um ponto, não ultrapassando 3,4%, e o Índice de Preços ao Consumidor alcançou 6,6%.

“Ao mesmo tempo, a diminuição das receitas fiscais das exportações de petróleo para a Europa causou um déficit orçamentário que ultrapassa US$ 3 bilhões", diz o documento do ICEX .

Para melhorar a situação, o presidente Pútin anunciou uma série de medidas no final de julho. Seu objetivo principal é estimular a economia através da mobilização de reservas do Fundo Nacional de Assistência Social. De acordo com Pútin, cerca de US$ 14 bilhões serão investidos principalmente na infraestrutura do país.

De acordo com o sócio responsável de Setores Regulados, Investimentos Estrageiros e Internacionalização da KPMG Espanha, António Hernández, na Rússia ainda existem várias anomalias do passado que afetam o desenvolvimento dos negócios. 

"Apesar da injeção de dinheiro, o crescimento sustentável começará apenas após as reformas que ajudarão a acabar com a alta dependência econômica do petróleo, diminuição da burocracia do país e redução da corrupção. No entanto, o seu impacto é cada vez menor”, diz Hernández.

No ranking Doing Business do Banco Mundial, a Rússia subiu 19 posições e agora ocupa o 92º lugar. O Banco Mundial elogiou o trabalho do governo russo, que facilitou o processo de abertura de novas empresas, simplificou os procedimentos de registo de propriedade e conexão às redes de energia.

Evolução do investimento estrangeiro

De acordo com o relatório da AT Kearney, a Rússia agora ocupa o 11º lugar do índice de confiança para o investimento estrangeiro em 2013.

Segundo os dados do Banco Central da Rússia, os investimentos diretos na Rússia em 2012 ultrapassaram US$ 50 bilhões.

“Uma parte dos investimentos é atraída pelos altos rendimentos de projetos relacionados a energia e outros recursos naturais como, por exemplo, o último acordo entre a Exxon Mobil e a Rosneft para o desenvolvimento das reservas de petróleo no Ártico”, diz o relatório do ICEX.

Além disso, em 2013, a Rússia entrou na Organização Mundial de Comércio, o que também ajudou a melhorar o clima de negócios no país. “O processo da liberalização aumentou a credibilidade dos investidores estrangeiros”, afirma Hernández.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.