Um a cada três russos com menos de 45 anos vive com os pais

Casa própria em Moscou custa quase 3 vezes mais que no interior do país Foto: ITAR-TASS

Casa própria em Moscou custa quase 3 vezes mais que no interior do país Foto: ITAR-TASS

Aluguéis caros e taxas de crédito elevadas dificultam transição para casa própria. Apesar dos juros altos, jovens famílias buscam programas do governo para adquirir casa própria.

Os russos que não possuem capital suficiente para comprar casa própria são forçados a alugar um apartamento ou a morar com os pais. Entre os fatores que mais desencorajam a abandonar o teto dos pais estão as altas taxas de crédito imobiliário e os altos preços dos aluguéis.

Alugar um apartamento pequeno em áreas residenciais na periferia de Moscou pode sair entre 600 ou 700 dólares. No centro da cidade, o aluguel de qualquer apartamento com condições mínimas de moradia começa a partir de US$ 1.300. Em comparação, o salário médio em Moscou, de acordo com as agências de recrutamento, é de US$ 1200.

“O baixo nível salarial do jovem especialista recém-formado, associado com os elevados valores dos gastos com a casa e do aluguel, não lhe permite independência habitacional”, diz Renat Laichev, presidente da ONG Filhos da Rússia. “Em 67% dos casos, o dinheiro é a principal causa para a relutância em deixar a casa dos pais.”

Apesar das altas taxas de juro, em média de 14%, déficit de habitação na Rússia vem tornando o empréstimo imobiliário uma opção  cada vez mais popular. Especialistas do mercado estimam que, a cada ano, um milhão de russos comprem casa própria por meio de financiamento bancários. Só no ano passado, o mercado de crédito imobiliário em Moscou e arredores duplicou.

O Estado oferece assistência na compra de habitação, oferecendo condições especiais a militares, professores e famílias jovens. Nesses programas, são oferecidos empréstimos com taxas reduzidas. Porém, a casa deve ser escolhida no mercado aberto, ter preços acessíveis e o nível de renda do comprador deve satisfazer às condições dos bancos.

Entre os mais sortudos estão as famílias jovens, com reduções de entre 30 a 40% no preço de compra do apartamento. Para tanto, é necessário se inscrever em um dos dois programas federais existentes e ter até 35 anos. O valor do subsídio e tamanho do apartamento com o qual podem contar os candidatos depende do número de filhos menores, e a norma é de 18 metros quadrados por cada membro da família. Por esse motivo, as famílias jovens são o grupo social que mais optam pelos créditos imobiliários, e constituem 45% dos credores nesse setor.

Centro X Periferia

De acordo com a imobiliária Metrium Group, um apartamento de 38,8 m2 em um prédio em construção nos arredores de Moscou custa em torno de US$ 112,6 mil. Uma casa já pronta custa mais caro: US$ 104,6 mil por 20 metros quadrados na periferia da capital russa.

Nos arredores da capital os preços são praticamente metade daqueles praticados na cidade. Em vez de US$ 4,1 mil por metro quadrado, é possível encontrar opções por US$ 2 mil por metro quadrado. No entanto, apesar do valor inferior, comprar uma casa em locais distantes traz consigo os famosos engarrafamentos de Moscou.

No interior do país, os preços são bem menores. Em Iekaterinburgo, um apartamento novo sai por US$ 42 mil; em Kazan, por US$ 50 mil; e em Novosibirsk, por US$ 22 mil.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.