FMI sugere reformas para alavancar crescimento da Rússia

Crescimento econômico da Rússia será de 1,5% em 2013 Foto: Reuters

Crescimento econômico da Rússia será de 1,5% em 2013 Foto: Reuters

País precisa reforçar ainda mais sua política macroeconômica e implementar reformas do ponto de vista da oferta para elevar o crescimento sustentável, destacou o Fundo Monetário Internacional (FMI) em um relatório anual sobre a economia russa.

A Rússia precisa diversificar sua economia e melhorar as instituições, pois, segundo o documento publicado nesta segunda-feira (21), o modelo econômico baseado em altos preços de commodities não funciona mais.

O FMI prevê que o crescimento econômico da Rússia vá diminuir para 1,5% em 2013, contra os 3,5% no ano passado, devido à queda de investimentos e da demanda externa. Em 2014, a economia deve crescer 3%, contudo.

O fundo também disse que a política fiscal do governo foi apropriadamente neutra neste ano, mas acabou sendo ameaçada por planos de gastos não orçamentais.

Para conter a inflação e reduzir os riscos no futuro próximo, as autoridades devem segurar a sua política monetária, resistir a estímulos fiscais complementares e considerar outras medidas para atenuar o crescimento excessivo do crédito de varejo.

A médio prazo, o governo deve aumentar gradualmente a regra fiscal, que mantém os gastos do governo dependentes dos preços do petróleo e economizar nas receitas geradas pelo produto.

O FMI disse que o Banco Central deve completar a sua transição para uma taxa de câmbio e metas de inflação flexíveis até o final de 2014, conforme planejado, o que ajudará a fixar as expectativas de inflação.

A Rússia também precisa reduzir o peso da regulamentação para facilitar a atividade privada em setores-chave, fortalecer o setor financeiro para melhorar sua capacidade de canalizar o capital para projetos de investimento produtivo, aumentar a transparência e melhorar o clima de negócios.

 

Publicado originalmente pelo The Moscow Times

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.