Após prisão de empresário russo na Bielorrússia, Rússia adota sanções comerciais contra vizinho

Diretor da empresa russa de fertilizantes Uralkali, Vladislav Baumgertner,  foi acusado de abuso de poder e de autoridade Foto: Reuters / Vostock Photo.

Diretor da empresa russa de fertilizantes Uralkali, Vladislav Baumgertner, foi acusado de abuso de poder e de autoridade Foto: Reuters / Vostock Photo.

Vladislav Baumgertner foi acusado de abuso de poder e de autoridade. De acordo com a legislação bielorrussa, esse crime prevê de três a dez anos de prisão.

Após a detenção do diretor da empresa russa de fertilizantes Uralkali, Vladislav Baumgertner, em Minsk, a Rússia tomou medidas no âmbito comercial e começou a dificultar as exportações de produtos lácteos da Bielorrússia e prevê a diminuição de fornecimento de petróleo.

De acordo com o vice-presidente do Centro de Tecnologias Políticas, Alksei Makárkin, as declarações da Rospotrebnadzor (Organização para a Defesa de Consumidores da Rússia)  são uma resposta completamente previsível depois da detenção de Baumgertner.

"A Rospotrebnadzor é uma força muito poderosa, tanto no âmbito da cooperação com a Organização Mundial do Comérico (por exemplo, quando surgem conflitos com a Ucrânia), como dentro da União Aduaneira (no caso dos conflitos com a Bielorússia ou Cazaquistão)”, diz Makárkin. 

Baumgertner foi acusado de abuso de poder e de autoridade. De acordo com a legislação bielorrussa, essa crime prevê de três a dez anos de prisão. 

A reação da Rússia à detenção Baumgertner seguiu o padrão tradicional. A Rospotrebnadzor afirmou não estar satisfeita com a qualidade dos produtos importados da Bielorrússia. 

"Os produtos lácteos fabricados nesse país são particularmente problemáticos", declarou o porta-voz da Rospotrebnadzor na última quarta-feira. “Os produtos da Bielorrússia, especialmente os lácteos, não oferecem garantias de segurança.”

Além disso, na última quarta-feira, a petrolífera russa Transneft declarou que cortará o fornecimento de petróleo para a Bielorrússia em cerca de 400 mil toneladas. A parte russa planejou as entregas trimestrais de 5,7 milhões de toneladas, mas, de acordo com a vice-presidente da Transneft, Mikhail Barkov, existem seções do oleoduto Drujba, que liga a Rússia com a Bielorrússia, que precisam de conserto urgente.     

"Sem dúvida, a redução de fornecimento está relacionado à detenção de Baumgertner", afirma o presidente da Fundação Nacional de Segurança Energética (NESF), Konstantin Símonov. "Essa detenção foi um choque para o governo russo. É um desafio pessoal para o presidente Pútin", diz Símonov.

O presidente da NESF acredita que o fornecimento de petróleo diminuirá ainda mais no futuro.

"Além disso, a Rússia poderia cancelar o projeto da Rosatom de construção de uma usina nuclear na Bielorrússia", diz Símonov.

"Na verdade, a Rússia não precisa dessa usina, que pode se tornar um concorrente direto da usina que está sendo construída na região de Kaliningrado pela Rosatom", completa Símonov.      

Especialistas acreditam que a Rússia ainda não está usando "artilharia pesada", no entanto. A Rosatom pode cancelar um projeto na Bielorrússia, enquanto o governo russo pode rever a concessão da última parcela da linha de crédito.

De acordo com o vice-diretor da frente civil da Bielorrússia (uma espécie de partido político) chamada Diga a Verdade, Andrêi Dmitriev, as autoridades da Bielorrússia e o presidente Aleksander Lukashenko estão usando a detenção de Baumgertner para provocar um confronto com a Rússia e alcançar uma série de objetivos.

"Primeiro, eles querem provar que é Lukashenko e não Pútin que tem a palavra final na questão da integração do espaço pós-soviético", diz Dmitriev. “Lukasheko está completamente convencido que Pútin será o primeiro a ceder.”

 

Publicado originalmente pelo jornal Gazeta.ru

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.