Banco do Brics deve começar a operar a partir de 2015

Banco do Brics trará benefícios a todos os membros, garantem os especialistas Foto: Reuters

Banco do Brics trará benefícios a todos os membros, garantem os especialistas Foto: Reuters

Países emergentes chegaram a um acordo sobre o montante de capital e a contribuição financeira de cada membro.

O banco de desenvolvimento do Brics pode começar a operar a partir de 2015, informou o vice-ministro russo das Finanças, Serguêi Stortchak, durante palestra no Fórum Econômico Internacional de São Petersburgo na última sexta-feira (21).

“Estamos no começo de tudo, mas 2015 soa viável. Até o momento, chegamos a um acordo sobre o montante de capital e a quantidade que cada país vai contribuir para o banco”, acrescentou Stortchak, citado pela agência de notícias Itar-Tass.

Gao Xiqing, presidente do China Investment Corp, expressou confiança em relação  aos resultados esperados com a criação do banco de desenvolvimento do Brics.

“Em economia, temos o princípio de Pareto [que pressupõe que 80% das consequências advêm de 20% das causas], e eu acredito que o banco do Brics pode funcionar se chegarmos lá”, disse Gao Xiqing na mesa-redonda “Parceria dos Brics – potencial e limitações na administração global”.

“Ao olhar para o atual nível de conhecimento nesses países, dá para perceber que não estamos em pior posição do que as nações de Bretton Woods. Pense sobre as diferenças entre todos os países em 1945-1946 e hoje: estamos muito mais à frente em termos de compreender as complicações do sistema econômico”, acrescentou o empresário.

Gao Xiqing também disse à Gazeta Russa que todos os cinco países serão beneficiados pela criação do banco.

A ideia de estabelecer essa instituição como uma alternativa ao Banco Mundial e ao Fundo Monetário Internacional partiu da Índia, durante a reunião de 2012 com os ministros das Finanças do grupo no México.

O Bric foi criado pelo Brasil, Rússia, Índia e China em 2009, em meio à crise econômica no Ocidente. Um ano depois, África do Sul se juntou ao bloco, que passou a se chamar Brics.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.