Os prós e os contras de abrir uma pequena empresa na Rússia

O governo da Rússia aprovou uma série de programas de apoio às micro e pequenas empresas Foto: Kommersant

O governo da Rússia aprovou uma série de programas de apoio às micro e pequenas empresas Foto: Kommersant

Entre as dificuldades, especialistas destacam as dificuldades de se conseguir um empréstimo bancário ou encontrar fontes de financiamento alternativas.

No contexto da crise das economias desenvolvidas, a Rússia, com seu alto nível de receitas do petróleo, parece atrativa e promissora para o desenvolvimento do setor de serviços.

A maior parte das micro e pequenas empresas russas opera neste setor, visto que os investimentos para lançar o negócio são relativamente pequenos e a rentabilidade pode se tornar significativa em pouco tempo.

De acordo com o Banco Mundial, existem mais de 500 critérios que classificam uma companhia como "pequena empresa". Na Rússia, a lei principal que regula os limites dessas empresas estabelece como critérios base o número de funcionários e o volume dos rendimentos. Segundo as leis do país, uma empresa cujo rendimento não ultrapassa US$ 1,8 milhões por ano e que emprega menos de 15 pessoas é considerada como uma microempresa.

As companhias cujos ganhos anuais não ultrapassam US$ 12 milhões e cujo número de funcionários não exceda 100 pessoas correspondem à categoria de pequena empresa. Todas as empresas cujo rendimento e/ou número de funcionários é maior são considerados como empresas médias ou grandes.

O governo da Rússia aprovou uma série de programas de apoio às micro e pequenas empresas, de acordo com os quais o Serviço de Impostos introduziu um regime especial que alivia significativamente o peso de tributos e reduz a necessidade de contato direto com as autoridades fiscais.

No entanto, de acordo com vários especialistas, a categoria de pequena empresa também pode levar ao aumento de restrições. Por exemplo, é muito mais difícil conseguir um empréstimo bancário ou encontrar fontes de financiamento alternativas.

Além disso, os empregados se queixam dos altos custos administrativos e da corrupção. Ao contrário das empresas médias e grandes, que em geral são estreitamente ligados ao Estado, as pequenas não podem lutar contra esses fenômenos.

"Os funcionários públicos na Rússia percebem seu trabalho como uma fonte de renda e benefícios", diz Dina Krilova, presidente do Fundo de Proteção dos Direitos dos Empresários Delovaia Perspectiva (em russo, Perspectiva Empresarial).

"A última coisa que lhes importa é a proteção de uma empresa pequena. Nos países desenvolvidos, os empresários são muito mais valorizados ", completa Krilova.

De acordo com dados do Serviço Federal de Estatísticas de Estado da Rússia, em 2012 os negócios mais populares entre os pequenos empresários foram a venda de automóveis e de eletrodomésticos.

O segundo lugar é ocupado pelas empresas do setor imobiliário (cerca de 30% de pequenas empresas) e o terceiro lugar (15%) pelas de produção (têxteis, metal, produção de equipamentos elétricos etc.). Os outros 5% são dos setores de agricultura, hoteleiro, de restaurantes, transporte e telecomunicações.

Krilova afirma que faltam pequenas empresas na área de inovação e de alta tecnologia na Rússia.

“O país também precisa de empresários na área do comércio, logística e serviço pós-venda. Nessas áreas, as pequenas empresas podem se desenvolver até mais rapidamente do que as grandes empresas”, diz Krilova.

Rendimento

Na Rússia, o rendimento das pequenas empresas varia significativamente dependendo da região. Moscou é considerada como a região mais favorável da Rússia para os empresários.

Por exemplo, na capital, o ganho médio anual de um restaurante, café ou similar com uma salão de 50 metros quadrados é de cerca de US$ 1 milhão. Um restaurante de mesmos parâmetros no distrito de Iamal-Nenets pode faturar um máximo de US$ 500 mil no ano. Já na região de Belgorod a renda não ultrapassará US$ 1.500.

Um cabeleireiro que trabalha em casa pode ganhar cerca de US$ 3 mil por ano Belgorod; em Krasnodar seria o dobro, mas em Moscou a renda pode alcançar US$ 28 mil.

No entanto, nem todo o trabalho é melhor pago em Moscou do que nas regiões periféricas, quando se avalia, por exemplo, a renda anual de taxistas, cozinheiros e faxineiros.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.