Alta de 29,2% nos preços de frutas e legumes eleva índice de inflação na Rússia

Devido ao súbito aumento do preço das frutas e legumes, a esperada volta da inflação para o índice previsto nas metas foi adiada em um trimestre Foto: ITAR-TASS

Devido ao súbito aumento do preço das frutas e legumes, a esperada volta da inflação para o índice previsto nas metas foi adiada em um trimestre Foto: ITAR-TASS

Inflação anual atingiu pico dos últimos 20 meses, sobretudo por causa da alta nos preços de alimentos. Especialistas prometem que situação deve melhorar no segundo semestre.

A agência federal de estatísticas Rosstat registrou um aumento acentuado dos preços ao consumidor em maio passado. A inflação subiu 0,7%, apesar de o Ministério da Economia ter previsto um aumento de 0,5 a 0,6%.

O maior salto inflacionário foi sentido na região da Kalmíquia, onde os preços subiram 1,6%, em um único mês. O índice médio da Rússia é tradicionalmente superado em Moscou e em São Petersburgo, onde as taxas de inflação registradas foram de 0,9% e 0,8%, respectivamente.

Em termos anuais, o crescimento dos preços alcançou o pico durante os últimos 20 meses, saltando  até  7,4% (7,2%, em abril). A principal aceleração nos aumentos de preços foi dada pela alimentação, cujo peso no índice de inflação ao consumidor da Rosstat representa 29,2%. Os preços das frutas e legumes sofreram as maiores altas – 16,8% em relação a maio do ano passado.

O Ministério da Economia, em seu monitoramento semanal, explica esse fato com os “baixos níveis dos estoques de batata e legumes da safra anual, de 5 a 11% inferior ao nível de estoques em maio de 2012”. Por causa do aumento dos impostos, que subiram 17,8% desde maio do ano passado, o preço do álcool também vem crescendo de maneira bastante acentuada e sua participação no índice é de 6,2%, junto com os cigarros.

Os aumentos dos preços dos produtos não-alimentícios se deu mais lentamente devido a queda da demanda interna. Em maio, eles subiram apenas 0,3%,  permanecendo praticamente inalterados em termos anuais.

Já o crescimento dos preços de serviços aumentou de 8,1% em abril para 8,3% em maio, em grande parte impulsionados pelo serviço de transporte, que corresponde a 14,4% do índice de inflação e subiu 10,6% por cento em comparação ao ano passado.

O primeiro vice-presidente do Banco Central da Rússia, Aleksêi Uliukaev expõe que em maio o crescimento dos preços atingiu o seu pico. “A inflação começará a diminuir. Acho que no quarto trimestre ela irá se manter no intervalo previsto em nossas metas (5 a 6%), embora exista uma chance de que isso aconteça ainda no final do terceiro trimestre”, declarou Uliukaev na sexta-feira passada (31).

Os analistas estão convencidos de que no segundo semestre a tendência de alta nos preços deve se inverter. No entanto, se eles vão voltar em tempo para os patamares previstos nas metas vai depender nem tanto das ações das autoridades monetárias, mas sobretudo da reação do mercado em relação aos aumentos e da safra de 2013.

 

Publicado originalmente pelo Kommersant

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.