Gólos é primeira ONG a cair na armadilha de “agentes estrangeiros”

Diretor da Gólos, Grigóri Melkonian, no escritório da ONG em Moscou Foto: AP Photo/Ivan Sekretarev

Diretor da Gólos, Grigóri Melkonian, no escritório da ONG em Moscou Foto: AP Photo/Ivan Sekretarev

Organização que oferece treinamento para observadores das eleições pagará US$ 10 mil por não fazer registro, mesmo depois de negar financiamento do exterior. Ministério da Justiça afirma que recusa não tem “significado jurídico”.

A associação sem fins lucrativos russa Gólos, que dá treinamento para observadores presentes nas eleições, foi a primeira organização a ser multada por violação da lei sobre as ONGs.

O tribunal de Moscou concedeu uma pena no valor de 300 mil rublos (cerca de 10 mil dólares) porque a organização não se registrou como “agente estrangeiro”, apesar de estar envolvida em atividades políticas e receber financiamento externo.

A inspeção da Gólos começou depois que o Ministério da Justiça soube que, em dezembro passado, a associação teria recebido parte do dinheiro do prêmio Sakharov, concedido pelo Comitê de Helsinki.

Embora a Gólos não tenha aceitado a quantia, o ministério afirmou que a atitude “não tem nenhum significado jurídico”.

“A decisão vai ser objeto de recurso até o Tribunal Constitucional”, dizem os representantes da Gólos. Segundo a diretora da ONG, Lilia Chibanova, o órgão federal ameaça fechar as portas da associação se a ordem não for obedecida.

 

Com materiais da agência RIA Nóvosti e dos veículos Kommersant e Vedomosti

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.