Fundo de reserva vai garantir “segurança energética” da Rússia

Foto: AP

Foto: AP

Áreas do subsolo do Ártico não reclamadas pela Rosneft e Gazprom não pertencerão a empresas privadas, mas “depositadas” em fundo de reserva.

O Ministério de Recursos Naturais da Rússia já preparou o projeto de um decreto, definindo os critérios de inclusão de áreas com reservas no fundo de reserva previsto na “Estratégia de Desenvolvimento da Zona do Ártico da Rússia e Garantia da Segurança Nacional até 2020”, publicado no site do governo russo.

A ideia é que sejam inseridas algumas áreas estratégicas de subsolo continental não distribuído, com reservas de petróleo superiores a 70 milhões de toneladas, embora a maior parte seja constituída de projetos para a plataforma continental.

“O fundo estatal não distribuído possui agora cerca de 20% dos recursos dos depósitos offshore. Portanto, se a reserva estiver configurada, provavelmente incluirá áreas não promissoras que foram abandonadas por empresas estatais”, considera o analista do Sberbank CIB, Valéri Nesterov.

Segundo os desenvolvedores de estratégias para assuntos da região do Ártico, a criação de um fundo de reserva de depósitos garantirá a “segurança energética do país e o desenvolvimento sustentável do setor de combustíveis e de energia a longo prazo”.  Em outras palavras, essas áreas vão assegurar a oferta quando houver uma queda na produção após 2020.


Publicado originalmente pelo RBC Daily

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.