Empresários vão assinar carta anticorrupção durante Fórum de Krasnoiarsk

Documento prevê a rejeição de tratamento preferencial e apoia as compras com base em propostas transparentes.

O 10° Fórum Econômico de Krasnoiarsk, uma das regiões de maior investimento na Sibéria, começou nesta quinta-feira (14) com empresários locais se comprometendo a assinar uma carta anticorrupção.

“A essência do documento diz respeito à implementação de práticas e programas especiais de combate à corrupção que irão afetar não só a situação dentro das empresas, mas as suas relações com os parceiros comerciais e o governo.

A carta prevê a rejeição de tratamento preferencial e apoia as compras com base em propostas transparentes, controle financeiro, educação, trabalho com funcionários e agentes de reforço da lei”, declarou o comitê de organização do fórum em um comunicado.

O evento do ano passado contou com representantes de 28 países e movimentou mais de US$ 17 bilhões em acordos.

Quebra de monopólio

A ideia de acabar com o monopólio de exportação da Gazprom ganhou força nesta quinta-feira depois de o presidente russo Vladímir Pútin reconhecer a ideia.

Em uma reunião da Comissão de Estado sobre a Indústria de Energia, Pútin ordenou que o governo faça esforços para terminar a posição favorecida da Gazprom e permitir que empresas privadas, como Novatek, que havia  lançado essa iniciativa alguns meses atrás, melhorem a eficiência e não “percam o mercado para os concorrentes”. 

Em um comunicado separado, o presidente russo exigiu o fim da tradição soviética de classificar informações sobre os recursos naturais e as reservas de energia da Rússia.

A medida acontece como parte de uma campanha mais ampla para atrair investimentos internacionais e aumentar a transparência na economia da Rússia. 

Isenção fiscal

O Ministério das Finanças da Rússia preparou uma lei que oferece incentivos fiscais para investidores privados. Eles ficariam livres do pagamento de imposto de renda sobre operações realizadas através de contas bancárias e nos mercados financeiros.

Os investidores teriam direito a esses benefícios se abrissem uma “conta de investimento individual” em um banco ou conferissem até 1 milhão de rublos (cerca de US$ 33 mil) a um mediador ao longo de cinco anos.

Os investimentos individuais são populares nos EUA e em outros países, mas são praticamente inexistentes na Rússia. Espera-se que a mudança motive os russos a investir e aumentar a capitalização do mercado local.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.