Governo russo poderá recorrer à importação de grãos

Foto: RIA Nóvosti

Foto: RIA Nóvosti

Medida visa estabilizar situação no mercado, visto que os preços dos grãos no mercado interno mais do que dobraram em 2012.

O Ministério da Agricultura da Rússia estima que o país ocupou a terceiro posição mundial na exportação de grãos em 2012, vendendo mais de 26 milhões de toneladas a clientes de 80 países. No entanto, as secas e a quebra na safra de grãos observada no país nos últimos anos estão escolhendo os estoques do grão e elevando o preço do produto no mercado.

De acordo com o relatório do Ministério da Agricultura dos EUA (USDA, na sigla em inglês) divulgado em janeiro passado, no ano-safra 2012/2013, a Rússia ocupa a 5ª posição na lista dos maiores exportadores mundiais de grãos, após os EUA, Austrália, Canadá e União Europeia. Logo atrás ficaram Índia, Argentina, Cazaquistão e Ucrânia.

Nos últimos meses de 2012, os estoques de grãos na Rússia totalizaram 25,3 milhões de toneladas em comparação aos 36 milhões de toneladas registradas no início do ano. Paralelamente, o encolhimento da oferta elevou o preço a um máximo histórico de US$ 390 por tonelada.

Atualmente, o acréscimo no preço é de 1 a 1,5 % por semana. No mercado interno, uma tonelada de grãos vale quase US$ 100 a mais do que no exterior.

“No ano passado, os preços dos grãos subiram 100% na porção europeia da Rússia, e entre 127% e 145% nas regiões asiáticas da Rússia”, declarou recentemente o vice-ministro da Agricultura, Iliá Chestakov, que não descarta um novo aumento de preços em 2013. Por causa disso, o governo também se viu obrigado a decretar um embargo à exportação dessa commodity.

Efeito dominó 

A conjuntura desfavorável no mercado de grãos em 2012 também elevou os preços da farinha e pão em um ritmo acelerado. As estatísticas mostram que, no final do ano passado, o preço médio da farinha subiu mais de 1,5 vezes (ou 54%), enquanto os preços de varejo do pão tiveram uma alta de 12%. Em 2012, os moleiros russos produziram apenas 8,8 milhões de toneladas de farinha, a menor quantidade desde 1991.

Os problemas em um dos setores-chave da economia, a agroindústria, está levando o governo russo a tomar medidas urgentes para estabilizar os preços e a situação no mercado de grãos. Entre os planos estão a ajuda financeira aos produtores e a importação de grãos para reabastecer os estoques do chamado fundo de intervenção, criado em 2001 para segurar os valores do produto.

Em mais de dez anos de existência, os estoques do fundo de intervenção só foram reabastecidos com os grãos produzidos dentro do país. Mas a safra desse ano caiu de novo por causa da seca e totalizou pouco mais de 70 milhões de toneladas. Como resultado, a Rússia está considerando comprar grãos no exterior para reabastecer seus estoques em baixa. 

Não se trata, porém, de uma decisão aprovada em definitivo. “Muito provavelmente não haverá  necessidade de comprar grãos no exterior. A previsão preliminar é que os estoques totalizem cerca de 80 a 90 milhões de toneladas de grãos”, diz o analista da Finam Management, Maksim Kliáguin.

Na pior das hipóteses, os estoques estratégicos podem ser reabastecidos com grãos baratos do Cazaquistão, que tem apresentado grande oferta nos últimos anos.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.