Marinha receberá nova geração de navios caça-minas

Aleksandr Obukhov durante ensaio para desfile do Dia da Marina, em São Petersburgo

Aleksandr Obukhov durante ensaio para desfile do Dia da Marina, em São Petersburgo

Aleksandr Galperin/RIA Nôvosti
Embarcações obsoletas da década de 1970, durante a União Soviética, serão substituídas por navios com estrutura de material compósito e sistemas de artilharia.

A Marinha da Rússia está se preparando para uma grande atualização depois de encomendar um novo lote do caça-minas Aleksandrit (do Projeto 12700). O primeiro navio da nova geração, chamado Aleksandr Obukhov, foi inaugurado em dezembro passado, e o Ministério da Defesa planeja construir, no total, 8 modelos do tipo.

Segundo Vassíli Káchin, especialista sênior da Escola Superior de Economia, em Moscou, os navios soviéticos do Projeto 266 Rubin, que ainda são usados pela Rússia, tornaram-se obsoletos e ineficazes para proteção das bases navais do país.

“Os novos navios resolverão esse problema”, disse à Gazeta Russa.

(Vídeo: YouTube/ruspodplav)

Invisível a minas

O Aleksandr Obukhov é o primeiro navio na Marinha russa com casco feito de materiais compósitos, em vez de apenas aço. 

“Os navios de guerra são como grandes ímãs flutuantes – eles costumam ter um grande campo magnético e podem ser alvo de ‘minas inteligentes’”, explica Dmítri Litovkin, analista militar do jornal “Izvêstia”.

No entanto, o casco dos novos caça-minas limitam o campo magnético e, por conseguinte, as chances de serem detectados por minas.

“Esses navios de alta tecnologia podem liberar o caminho para os navios de guerra viajando à frente e destruindo ou desativando as minas marítimas com segurança”, acrescenta Litovkin.

Robôs auxiliares

As caça-minas geralmente usam dispositivos mecânicos ou elétricos, os chamados “varredores”, para cortar os cabos de minas ancoradas. Os navios da classe Aleksandrit, porém, também estarão equipados com barcos robóticos, que poderão ser controlados remotamente.

Ainda não foi definido quem serão os fornecedores das pequenas embarcações, mas o grupo francês EAC, que produz o navio antiminas não tripulado Inspector Mk2 e os submersíveis Seascan Mk2, seria um forte concorrente. Isso porque os modelos Inspector Mk2 são capazes de detectar e varrer minas a 10 a 100 metros de profundidade e podem ser operados a uma distância de 10 km do foco.

Segundo o “Izvêstia”, porém, o Ministério da Defesa russo poderia ainda optar por uma empresa nacional para construir os barcos.

Armas e munições

Os caça-minas do Projeto 12700 não são projetados para envolvimento direto em conflitos. No entanto, esses navios estarão armados com um sistema de artilharia naval AK-306, uma metralhadora pesada de calibre 14,5 mm e um sistema 9K38 Iglá SAM para defender-se contra pequenas embarcações e caças em voo rasante.

Leia outras matérias da Gazeta Russa:

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.