Turquia está próxima de fechar contrato para compra de S-400

Teme-se que Otan não queira integrar S-400 ao sistema de defesa da Otan.

Teme-se que Otan não queira integrar S-400 ao sistema de defesa da Otan.

Serguêi Malgavko/RIA Nôvosti
Moscou poderá fornecer US$ 2,5 bilhões em sistemas de defesa antiaérea.

Ancara e Moscou estão em fase final de negociações sobre a venda de sistemas de defesa antiaérea S-400.

A Turquia finalmente decidiu comprar o equipamento militar russo e já assinou uma série de documentos, mas, segundo a fonte no complexo militar-industrial russo que não quis ser identificada, as partes ainda precisam resolver questões administrativas e financeiras para a finalização do acordo.

"Realizamos as medidas necessárias, os documentos já estão assinados, e acredito que receberemos os sistemas S-400", declarou o presidente turco, Recep Tayyip Erdogan.

Os países já entraram em acordo sobre os aspectos técnicos do fornecimento e determinaram o número de mísseis, lançadores e maquinário de apoio.

Entretanto, ainda não se confirmou como a Turquia pagaria pelos armamentos, e acredita-se que Ancara espere comprar os S-400 a crédito.

Segundo informações divulgadas pela imprensa russa, o valor do contrato somaria US$ 2,5 bilhões.

Problemas potenciais

A Turquia é membro da Otan, e a aquisição de sistemas de defesa antiaérea russos pode sofrer reprovação por outros membros da organização.

"O exército dos Estados Unidos tem um análogo ao sistema russo S-400. É o chamado Patriot, que é fornecido à Coreia do Sul para defender o país do vizinho do norte ", explica Vadím Koziúlin, professor da Academia de Ciências Militares da Rússia.

Segundo ele, a elite militar da Otan afirma ser impossível integrar o S-400  ao sistema de defesa aérea da aliança.

"No entanto, algo semelhante ocorreu nos anos 1990, quando a Rússia vendeu 12 lançadores S-300 para a Grécia. Os sistemas foram, sim, integrados e continuam a funcionar dentro da defesa da Aliança", completa Koziúlin.

Leia outras matérias da Gazeta Russa:

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.