Soldados têm aparato especial para suportar frio de -50ºC no Ártico

Membro de unidade de operações especiais durante manobras perto do Polo Norte

Membro de unidade de operações especiais durante manobras perto do Polo Norte

Valéri Melnikov/RIA Nôvosti
O serviço militar nos territórios do Extremo Norte da Rússia, que se estende muito além do Círculo Ártico, exige uniformes e dietas especiais adaptadas à sobrevivência em condições extremas. A Gazeta Russa analisa o que os soldados locais vestem e comem para aguentar temperaturas que podem bater até 50ºC negativos.

Os militares russos vêm realizando diversos exercícios em larga escala no Ártico para verificar a prontidão de combate em condições climáticas extremas do norte russo. O verão local é curto – poucas semanas, na melhor das hipóteses –, com chuva e neve predominantes durante o resto do ano. E nem mesmo o Sol é capaz de aquecer no frio.

Durante uma importante manobra, no ano passado, paraquedistas foram lançados diretamente no Polo Norte. Os exercícios foram planejados para abril, um período em que ventos severos do Norte atingem o Ártico, e as tempestades de neve impedem até a realização de expedições curtas. No entanto, no caso de uma crise militar, as forças aéreas devem estar prontas para o combate em qualquer local, inclusive no Ártico.

Cadetes em treinamento no Ártico russo (Foto: Ígor Agueienko/RIA Nôvosti)Cadetes em treinamento no Ártico russo (Foto: Ígor Agueienko/RIA Nôvosti)

Pela primeira vez na história, as tropas aéreas pousaram em um bloco de gelo à deriva na região do Polo Norte sem qualquer preparação especial. Além de a área não ter sido predeterminada, nenhum reconhecimento havia sido realizado com antecedência.

Somado a isso, não houve fornecimento prévio de equipamento no local do exercício, e os paraquedistas carregaram todo o aparato necessário.

As tropas aerotransportadas chegaram à região, mas o Ministério da Defesa russo não conseguiu evacuá-los devido à súbita deterioração do clima na área de desembarque, deixando os 150 militares ilhados em um bloco de gelo à deriva perto do Polo Norte.

Teste de novas armas e equipamentos militares no Ártico (Foto: RIA Nôvosti)Teste de novas armas e equipamentos militares no Ártico (Foto: RIA Nôvosti)

Trajes do Norte

Durante as recentes manobras, tantos os soldados como os oficiais estavam equipados com uniformes especialmente criados para o Ártico. Suas mochilas de expedição continham alimentos ricos em calorias, bem como novos equipamentos de suporte à vida criados especificamente para suportar condições climáticas extremas.

Segundo a pasta da Defesa, os novos uniformes do Ártico ajudaram as tropas a operar em baixas temperaturas, mesmo que caíam na água.

Soldados uniformizados nadam no Ártico (Vídeo: YouTube/Tomas Shulz)

“O uniforme militar do Ártico contém 13 itens”, diz Vadim Koziulin, professor de ciências militares. “As roupas devem protegê-los da exposição prolongada a ventos frios, chuva e neve. Além disso, os trajes são ergonômicos, e isso ajuda as tropas a usar um colete à prova de balas especial para o Ártico sem interferir no uso do rifle.”

O padrão de camuflagem também se distingue do tradicional uniforme usado por soldados do Exército russo. Nos trajes para o Ártico, esse padrão consiste em um desenho pixelado feito de pontos cinza, verde e preto que imitam as cores da paisagem local. Assim, ao usar esse uniforme, um soldado não pode ser visto entre penhascos e rochas, pois combina perfeitamente com os montículos nevados.

Brigada de infantaria mecanizada da Frota do Norte russa realiza aprendendo a conduzir trenós puxados por renas e cachorros (Foto: Lev Fedoseiev/TASS)Brigada de infantaria mecanizada da Frota do Norte russa realiza aprendendo a conduzir trenós puxados por renas e cachorros (Foto: Lev Fedoseiev/TASS)

Apesar da tecnologia voltada ao frio, o uniforme é adaptável a qualquer clima. “As três camadas de roupa térmica protegem os soldados do frio. E, se esquentar, ele pode substituir a jaqueta por um agasalho ou colete flanelado”, explica Koziulin.

Além do tradicional “uchanka” soviético (espécie de gorro com orelhas, típico da Rússia), os paraquedistas também possuem máscaras tipo capacete especiais que se parecem com balaclavas com tecnologia de transferência térmica.

“A máscara cobre o rosto inteiro, deixando apenas uma fresta para os olhos. Com ela, o soldado pode respirar livremente e não tem receio de pegar um resfriado em meio a geadas. O material especial com o qual são produzidas as jaquetas, calças e calçados ajudam os soldados e os oficiais a sobreviver a temperaturas de até -60ºC e ventos de 15 metros por segundo”, destaca o professor de ciências militares.

Comida congelada

Uma dieta especial também foi desenvolvida para ajudar as tropas a sobreviver ao clima do Norte: cada porção diária contém 5.000 calorias, em comparação com as 3.000 calorias fornecidas às tropas regulares.

Além da dieta tradicional do Exército, a mochila dos soldados do Ártico contém sanduíches “clássicos”, feitos com salame rico em calorias, bem como sucos de frutas e barras de chocolate com alto teor de cacau.

Sistema Pantsir baseado em tanque durante desfile do Dia da Vitória em Moscou (Foto: Maksim Blinov/RIA Nôvosti)Sistema Pantsir baseado em tanque durante desfile do Dia da Vitória em Moscou (Foto: Maksim Blinov/RIA Nôvosti)

Quando as tropas têm que permanecer em condições extremas por um longo período, recebem porções adicionais e vitaminas para estimular o sistema imunológico.

“O soldado deve saber como esquentar sua comida mesmo em temperaturas inferiores a 50 graus negativos. É por isso que suas mochilas estão equipadas com ‘matriochkas culinárias’, que, assim como as bonecas de madeira, ocultam dois ou três contentores térmicos”, diz Víktor Murakhovski, editor-chefe da revista russa “Arsenal da Pátria”.

Bases russas no Ártico

A Rússia dispõe de seis bases militares no norte do país, além de mais de 10 aeroportos militares, bases de sistemas antimísseis e portos militares.

Infográfico: Stepan ZharkiInfográfico: Stepan Zharki

Toda essa infraestrutura funciona 24 horas por dia, independentemente da estação do ano e das condições climáticas. Seu principal objetivo, de acordo com especialistas, é proteger as fronteiras e os interesses econômicos do país.

“Os navios da Otan com sistema americano de combate Aegis e mísseis de cruzeiro BGM-109 Tomahawk patrulham regularmente a região. Essas armas são capazes de atingir as posições de nossos sistemas de mísseis estratégicos na Sibéria. Por isso, a Rússia precisa ‘fechar’ o guarda-chuva antimíssil nessa região e preparar suas forças terrestres, que devem ser capazes de realizar missões a -50ºC”, diz Murakhovski. 

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail?
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.