Fabricante alemã projeta arma para contrapor o Armata russo

Pútin (esq.) em visita à planta de construção da plataforma Armata, em Níjni Taguil

Pútin (esq.) em visita à planta de construção da plataforma Armata, em Níjni Taguil

Reuters
Modelo de canhão para tanques promete superar potencial do T-14 e do T-90. Planos de atualização da Alemanha são resposta ao lançamento da plataforma de combate Armata.

A fabricante alemã Rheinmetall apresentou esta semana um novo modelo de arma desenvolvido especialmente para destruir os tanques russos T-90 e o novo T-14 Armata. O equipamento foi apresentado na Eurosatory-2016, considerada a maior feira internacional voltada para as Forças Armadas terrestres, que se encerrou nesta sexta-feira (17), em Paris.

O novo canhão de 130 mm será montado sobre um novo tanque, atualmente em desenvolvimento pela Alemanha e pela França e que irá substituir os veículos de batalha Leopard 2 e Leclerc.

A empresa alemã está desenvolvendo um projétil especial perfurante para a nova arma, que possui sistema de lançamento aperfeiçoado e núcleo de tungstênio alongado.

A primeira demonstração técnica da arma ocorreu em maio de 2016 e, após a sua apresentação na Eurosatory, a expectativa é que seja, em breve, testado no campo de tiro da Rheinmettal.

Segundo os especialistas russos, é praticamente impossível avaliar as capacidades reais da arma até que o teste do projétil seja realizado.

Corrida entre tanques

A Alemanha começou a planejar a atualização do Leopard 2 depois de a Rússia ter apresentado a sua plataforma de combate Armata (e o tanque T-14, nela baseado).

Com a introdução de T-14s no Exército russo, França e Alemanha intensificaram as conversas bilaterais não só para o desenvolvimento de artilharia de nova geração, mas também para a substituição de seus tanques pesados por equivalentes ao potencial de combate do Armata.

Especialistas militares já haviam destacado que os alemães Leopard 2, considerados entre os melhores do mundo, não têm projéteis capazes de perfurar a armadura dos tanques russos T-80, T-90 e T-14.

Para solucionar essa questão, acredita-se que a Alemanha vá adaptar os projéteis norte-americanos produzidos para os seus tanques ou desenvolver munição própria de urânio empobrecido.

Publicidade alemã

Embora a Rheinmetall tenha apresentado a nova arma como um recurso no combate a tanques Armata russos, ainda não se sabe quão eficaz a arma será contra a nova tecnologia russa.

“O novo canhão 130 mm alemão ainda está sendo desenvolvido e não está claro se será capaz de perfurar a estrutura dos principais tanques da Rússia”, diz Ígor Korotchenko, redator-chefe da revista “Defesa Nacional”.

Korotchenko ressalta que, uma vez que o projétil ainda está em desenvolvimento, as declarações sobre a sua superioridade em relação aos tanques russos “não são nada, mas uma tentativa do fabricante de fazer propaganda de seu produto”.

A pasta de Defesa russa não se pronunciou sobre a propaganda da nova arma alemã. “No momento, a nossa delegação está se familiarizando com o assunto”, disse uma fonte da Gazeta Russa, que preferiu não ser identificada.

Em abril, o ministério russo assinou um contrato para comprar 100 tanques da plataforma Armata. Segundo o vice-diretor-geral da fabricante, a Uralvagonzavod, Viatcheslav Khalitov, as Forças Armadas receberão a primeira série, composta por 100 tanques T-14, entre 2017 e 2018.

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail?  
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.