Os segredos da guarda de Pútin

Então premiê Vladímir Pútin chega com guardas a cerimonial em Viena, na Áustria

Então premiê Vladímir Pútin chega com guardas a cerimonial em Viena, na Áustria

Maksim Chemetov/TASS
Descubra funções do Serviço de Proteção Federal, que tem novo chefe. Gazeta Russa investiga o que mudança significa e quais atividades secretas são realizadas pela agência.

O comando Serviço Federal de Proteção (FSO, na sigla em russo), que tem entre suas responsabilidades garantir a segurança do presidente russo, foi assumido por Dmítri Kotchnev, que antes era vice do órgão. O general Evguêni Murov, um aliado de longa data de Vladímir Pútin, deixou o cargo após 16 anos na liderança do FSO.

Embora não haja informações sobre Kotchnev site no site do Kremlin ou do FSO, sabe-se que ele comandava o Serviço de Segurança Presidencial (parte do FSO) desde o final de 2015.

Já Murov, assim como Pútin, emergiu das estruturas de poder de Leningrado (atual São Petersburgo) antes da queda do regime soviético. O general completou 70 anos em novembro passado, e acredita-se que sua renúncia se deva à idade.

O Serviço de Proteção Federal é uma agência secreta com múltiplas funções. Apenas pode-se supor quais seriam suas verdadeiras atividades, já que não há dados públicos sobre as suas operações ou qualquer publicação de relatórios.

Número 1

As origens do FSO remontam a um dos diretórios da KGB – o serviço secreto soviético –responsável pela segurança dos altos funcionários. Desde então, existem muitas lendas sobre a missão de proteger o “número um” do país.

Há 15 anos, por exemplo, circulam rumores de que os oficiais do FSO usam um dublê de corpo para as performances mais arriscadas de Pútin, como mergulhos ao fundo do lago Baikal ou voos a bordo de caças.

Vladimir Putin in the city of Tambov, 2012. Source: Alexandra Mudrats/TASSPútin acompanhado de sua guarda pessoal na cidade de Tambov, em 2012 Foto: Aleksandra Mudrats/TASS

No entanto, os funcionários do órgão protegem não só o presidente. Também resguardam juízes, testemunhas, funcionários e locais oficiais, como o Kremlin e a Duma (câmara dos deputados na Rússia).

Ao longo dos últimos anos, Murov batalhou para que o FSO ganhasse mais poderes, assim como o status de principal serviço de segurança da Rússia, em comparação a seu rival, o FSB (Serviço Federal de Segurança, que substituiu a KGB). E parece ter ganhado a disputa.

Bilhões sob controle

Em meados dos anos 2000, o FSO, juntamente com outros serviços especiais, se envolveu em um confronto dentro das estruturas de poder do círculo íntimo do recém-eleito presidente russo Vladímir Pútin. A briga interna não se deu apenas pela proximidade em relação ao chefe de Estado, mas também pelo controle dos fluxos de caixa e ativos.

Em 2007, o conflito veio à tona por meio dos principais veículos de comunicação do país, como também em declarações dos chefes das próprias agências.

Os problemas do FSO atingiam, além do FSB, o Departamento de Gestão da Propriedade Presidencial, órgão que, na época, mantinha o comando de hospitais, da construção e organização de transporte e fábricas de alimentos do governo federal, bem como da propriedade estrangeira do Estado e de dezenas de projetos de desenvolvimento.

Foi a guarda de Pútin, porém, que prevaleceu entre as forças de segurança e, de acordo com o Registro Estatal Unificado, nenhuma residência presidencial é gerida hoje pelo Departamento de Gestão da Propriedade. Elas estariam sob o controle da própria Federação ou do FSO.

Os inúmeros ativos da agência incluem também a empresa Ateks. Esta subsidiária estabelecida por ordens de Murov em 2003 participa da construção de instalações federais, bem como se encarrega do orçamento do Estado, distribuindo contratos estatais e propostas de licitações que movimentam bilhões (por exemplo, para a restauração da muralhas e torres do Kremlin, do Mausoléu de Lênin, ou do Conservatório Tchaikovsky).

Vladimir Putin holds a portrait of his father Vladimir Spiridonovich Putin who fought in World War II during the Immortal Regiment march in Moscow, May 9, 2016. Source: Alexei Druzhinin/Russian Presidential Press and Information Office/TASSPresidente em celebração do Dia da Vitória, na Praça Vermelha Foto: Aleskêi Drujinin/TASS

Sociologia para política

Além das funções citadas, os oficiais do FSO conduzem projetos de pesquisa sociológica, cujos dados coletados auxiliam o presidente, o Conselho de Segurança e o governo na tomada de decisões.

A agência prepara rankings de líderes do partido governista e da oposição, bem como monitora a situação socioeconômica nas regiões do país. Se um governador renuncia por perda de confiança em suas capacidades, há chances de que o FSO tenha influenciado.

Uma das recentes expansões dos poderes do órgão é a criação e o desenvolvimento de um segmento russo da internet, com canais de comunicação criptografados.

Gostaria de receber as principais notícias sobre a Rússia no seu e-mail?  
Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.