Soldados russos têm primeiros resultados na remoção de minas em Palmira

Patrimônio histórico de Palmira já está livre de minas e explosivos.

Patrimônio histórico de Palmira já está livre de minas e explosivos.

AP
Finalização de trabalhos na área de arquitetura histórica da cidade síria foram comunicados ao presidente Vladímir Pútin em conferência de vídeo nesta sexta-feira (22).

A tarefa de retirada de minas terrestres da área de arquitetura histórica da cidade síria de Palmira foi completada com sucesso, de acordo com declaração do chefe do departamento de engenharia militar das Forças Armadas russas, Iúri Stavítski, em conferência de vídeo direto da Síria com o presidente Vladímir Pútin nesta sexta-feira (22).

Ele também ressaltou que os engenheiros militares iniciaram trabalho análogo nas áreas de habitação e do aeroporto da cidade.

Foto: Konstantin Leyer/TASSTrabalho de sapadores russos na região começou em 2 de abril. Foto: Konstantin Leier/TASS

"Foi realizado um trabalho muito grande para neutralização das minas, bombas e outros explosivos justamente na área histórica, mas ainda é preciso fazer muito para a remoção de minas das obras de engenharia na parte habitada da cidade", disso Pútin durante a conferência.  

KONSTANTIN LEYFER/TASS Explosives found in the ancient town of Palmyra. Islamic State militants have not only destroyed many of Palmyra's heritage sites but they have also laid mines in historic and residential parts of the town. Foto: Konstantin Leyer/TASSExplosivos encontrados em patrimônio histórico de Palmira, na Síria. Foto: Konstantin Leier/TASS 

O trabalho na Síria é realizado por especialistas do destacamento misto do Centro Internacional Contra Minas das Forças Armadas da Federação da Rússia.

O grupo está equipado com complexos robóticos de remoção de minas "Uran-6", veículos blindados com supressores de espoletas de proximidade e de explosivos controlados por rádio.

Os sapadores russos terão que livrar mais de 180 hectares de minas no território da cidade de Palmira, de acordo com informe divulgado em 31 de março pelo chefe da Direção Principal de Operações do Estado-Maior da Rússia, Serguêi Rudskôi.

Estatuto de combatente

O chefe do Comitê da Duma de Estado para Defesa, Vladímir Komoedov, propôs na última quinta-feira (21) que os sapadores russos participantes da campanha russa em Palmira sejam classificados como com combatentes de guerra.

A ideia é que, com o novo status, os sapadores recebam também os benefícios correspondentes.

Foto: Konstantin Leuer/TASSTrabalhos iniciais incluíram uso de cães farejadores. Foto: Konstantin Leier/TASS

No momento, o projeto está sendo analisado pelo governo russo.

Até agora, 234 hectares de terras, 23 quilômetros de vias e 10 edifícios de patrimônio cultural já foram liberados pelos sapadores russos. Segundo Stavítski, 98 militares russos trabalham na remoção de minas em Palmira.

Com material da agência de notícias Interfax e do portal Lenta.Ru.

Quer receber as principais notícias sobre a Rússia em seu e-mail? Clique aqui para assinar nossa newsletter.

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.