Ciclo de Cinema Russo ganha sessões extras; “O Fascismo de Todos os Dias” é a primeira

Mikhail Romm/Mosfilm, 1965
Longa é uma reflexão aguda sobre a natureza do fascismo, reconstruindo a trajetória de sua ascensão à queda. 

O ciclo “Cinema Soviético e Russo em Casa”, que chegou ao fim no início de novembro, terá sessões extras nos próximos cinco fins de semana. A primeira obra que será reexibida, entre sexta-feira (19) e domingo (21), é “O Fascismo de Todos os Dias” (1965), de Mikhail Romm.

Por meio de imagens da época intercaladas com material do arquivo do Ministério de Propaganda do Terceiro Reich, da coleção pessoal de Hitler e fotografias apreendidas de soldados alemães da SS, o diretor e narrador Mikhail Romm desenvolve uma reflexão aguda sobre a natureza do fascismo, reconstruindo a trajetória de sua ascensão a queda. 

Este filme é considerado por muitos o mais profundo, criativo e impactante documentário realizado sobre o tema.

Ao longo do segundo semestre, foram exibidos 14 longas dos mais variados gêneros a partir de matrizes restauradas. Este é o segundo ano do “Cinema Soviético e Russo em Casa”, com a exibição gratuita de um filme russo por semana. O projeto foi desenvolvido pelo Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo (CPC-UMES), que distribui e comercializa no Brasil, em DVD e Blu-Ray, streaming, TV e cinema os filmes produzidos pelo Estúdio Mosfilm.

“O Fascismo de Todos os Dias” está disponível aqui de sexta-feira (19), às 19h00, até o mesmo horário de domingo (21).

LEIA TAMBÉM: Olga Tchekhova, atriz e suposta espiã soviética

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies