Misto de ciência e filosofia, “Nove dias em um ano” é a sessão gratuita no YouTube desta semana

Mikhail Romm/Mosfilm, 1961
Triste, porém bela, história sobre a exploração de novos campos da física nuclear transporta os espectadores a uma ilha de entusiasmo, onde as pessoas acreditam no que fazem. 

O ciclo “Cinema Soviético e Russo em Casa” apresenta neste fim de semana “Nove dias em um ano” (1961), de Mikhail Romm. Assim como nas semanas anteriores, o filme estará disponível no canal do YouTube da CPC-UMES partir das 19h00 de sexta (1º) até as 19h00 do domingo (03).

Um filme com elementos de questionamentos existenciais no estilo de Ingmar Bergman, do cinema new wave a la Godard, e da ficção científica soviética dos irmãos Strugatsky, “Nove dias em um ano” conta a história do físico soviético Dmítri (ou Mítia, interpretado por Aleksêi Batalov), que arrisca a vida para obter avanços no campo da energia termonuclear.

Dmítri, que vive um triângulo amoroso com o colega Iliá (Innokénti Smoktunóvski) pelo afeto de outra cientista, Liólia (Tatiana Lavrova), faz uma importante descoberta mas, exposto à radiação durante o experimento, fica gravemente doente. São seu amor pela vida e pelo trabalho que o permitem se recuperar mais rápido do que ele imagina.

As belas cenas criadas pelo diretor veterano Mikhail Romm evocam emoções. O enorme maquinário do reator, os experimentos e as personalidades são bastante factíveis, e pessoas com formação científica irão especialmente gostar do filme.

Ao longo do segundo semestre, estão sendo exibidos 14 longas dos mais variados gêneros a partir de matrizes restauradas. Este é o segundo ano do “Cinema Soviético e Russo em Casa”, com a exibição gratuita de um filme russo por semana. O projeto foi desenvolvido pelo Centro Popular de Cultura da União Municipal dos Estudantes Secundaristas de São Paulo (CPC-UMES), que distribui e comercializa no Brasil, em DVD e Blu-Ray, streaming, TV e cinema os filmes produzidos pelo Estúdio Mosfilm.

LEIA TAMBÉM: Como ‘homem atômico’ soviético sobreviveu a dose letal de radiação?

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies