Quem foram as fontes de inspiração para personagens de ‘O Mestre e Margarida’ e outros russos?

Você sabia que a heroína de "O Mestre e Margarida", de Mikhaíl Bulgákov, era uma informante do NKVD, o órgão que precedeu a KGB, e que Dmitri Karamázov foi um criminoso de verdade?

1. Margarida, de ‘O Mestre e Margarida’ (Mikhaíl Bulgákov)

A atriz Anna Kovaltchuk como Margarida (esq.) e Elena Bulgákova (dir.)

Muitos pesquisadores de literatura acreditam que a Margarida que rende nome ao famoso romance de Bulgákov era inspirada em sua última mulher, Elena Serguêievna Bulgákova. Quando eles se conheceram, ela, assim como Margarida, estava em um relacionamento – mais precisamente, casada com um militar de alta patente, Evguêni Chilovski.

Pesquisadora especializada em Bulgákov, Marietta Tchudakova, acredita que o escritor suspeitava que Elena Serguêievna tivesse cooperado com o NKVD, a polícia secreta soviética. Isto poderia explicar o motivo de ele não ter sido preso e de sua família ter recebido permissão a se socializar com estrangeiros.

No livro, Margarida faz um acordo com Satanás para ajudar o amante com seu livro. De acordo com Tchudakova, ao escrever isto Bulgákov age como advogado da mulher, como se reconhecesse que ela agia apenas em prol de sua segurança.

2. Ostap Bender, de ‘Doze Cadeiras’ (Iliá Ilf e Evguêni Petrov)

O ator Artchil Gomiachvili como Ostap Bender em cena de filme soviético (esq.) e Osip Chor (dir.).

O detetive de polícia Osip Chor, amigo de Ilf e Petrov, era um verdadeiro aventureiro, assim como Ostap Bender.

Depois de se formar na universidade de São Petersburgo, Chor passou dois anos retornando a sua cidade natal, Odessa. Mesmo sem um centavo no bolso, ele viveu muitas aventuras pelo caminho.

LEIA TAMBÉM: “É você, idiota?” As últimas palavras murmuradas por escritores russos

O romance contém algumas das histórias de sua vida real. Por exemplo, como ele conseguiu um emprego como artista em um navio de “agitprop” (propaganda de agitação política), apesar de não saber desenhar, e como, sem fazer a menor ideia de como se joga xadrez, ele realizou apresentações pagas da modalidade.

3. Andrêi Bolkonski, de ‘Guerra e Paz’ (Lev Tolstói)

O ator James Norton como Andrêi Bolkonski em cena de adaptação de “Guerra e Paz” pela BBC (esq.) e Nikolai Tutchkov (dir.).

Andrêi Bolkonski, um dos personagens centrais deste romance, teve vários protótipos. A história de seu casamento malsucedido com Natacha Rostova pode ter sido uma referência ao que aconteceu com o irmão de Tolstói, que estava noivo de uma irmã de Sofia Andreievna, a mulher de Tolstói.

Assim, a maioria dos críticos literários acredita que o personagem do príncipe Andrêi foi profundamente baseado no tenente-general Nikolai Tutchkov. Assim como Andrêi, ele teve uma brilhante carreira militar e, durante a guerra com Napoleão, assumiu o comando de um corpo no exército em Barclay de Tolly.

Também como Andrêi, Tutchkov recebeu um ferimento no peito na batalha de Borodinô, morrendo em seguida em Iaroslavl.

Outra possível inspiração para o personagem foi o príncipe Dmítri Golitsin, um colaborador próximo de outro comandante de alta patente, Bagration. Ele foi ferido em Borodinô com um fragmento de granada e também morreu em seguida, mas na cidade de Vladímir.

4. Dmítri Karamázov, de ‘Irmãos Karamázov’ (Fiódor Dostoiévski)

O ator Serguêi Gorobtchenko como Dmítri Karamázov (esq.) e Fiódor Dostoiévski durante sua pena na Sibéria.

O enredo deste romance é baseado em um caso real. Enquanto servia sua pena na Sibéria, Dostoiévski ouviu falar de um crime sensacional. Uma pessoa verdadeira, Dmítri Ilinski, foi acusado de parricídio e enviado à prisão.

O escritor se encontrou com ele e deu a seu personagem Dmítri Karamázov, não apenas o primeiro nome de Ilinski, mas também algumas de suas características: sua inclinação à violência e à paixão combinada com sua nobreza de espírito.

Em geral, Dostoiévski costumava retratar pessoas reais. O padre Zosima, conselheiro espiritual de Aliôcha Karamázov, tem muito em comum com o monge Ambrósio de Optina. Sabe-se que Dostoiévski conversou com o último enquanto trabalhava no romance e chegou a descrever uma cela semelhante à dele.

5. Aleksandr Tchatski, de ‘O infortúnio da Razão’ (Aleksandr Griboiedov)

O ator Mikhaíl Lênin como Tchatski (esq.) e Piôtr Tchaadaiev.

Publicada em 1825, a peça de Griboiedov retrata um intelectual esclarecido, Tchatski, que retorna a Moscou após uma longa viagem pela Europa. Lá, ele viu um modo de vida completamente diferente e ficou indignado porque as pessoas de Moscou não se importam com a educação. Elas são guiadas por regras obsoletas e pensam apenas em progredir nas carreiras e nas posições sociais.

Críticos literários dizem que Tchatski era baseado em Piôtr Tchaadaiev, um veterano da guerra de 1812 contra Napoleão, além de jornalista e membro de uma sociedade secreta revolucionária. Ele viajou muito pela Europa, estudou filosofia e escreveu as “Cartas Filosóficas”, que criticavam a situação na Rússia, seu atraso e estagnação espiritual.

De certa forma, a peça “O infortúnio da razão” predizia o destino de Tchaadaiev. Os pronunciamentos de Tchatski se revelaram tão progressistas que muitas pessoas os levavam como delírios, e logo se espalhou o boato de que ele estava louco. Em 1836, o governo tsarista declarou Tchaadaiev louco.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies