Os pintores que recriaram uma Moscou de outrora

Quer saber como os artistas de mais de um século atrás viam a capital russa? Embarque nesta viagem estética através do tempo.

Praça Lubiánskaia no inverno (1905)

Moscou sempre foi fonte de inspiração para os artistas, graças à beleza de suas igrejas, edifícios históricos, suas ruas largas e seus pátios escondidos. Muitos artistas capturaram tudo isso em suas obras.

Campanário de Ivan, o Grande (1876)

Vassíli Súrikov nasceu em Krasnoiarsk e é de origem cossaca. Ele se mudou para Moscou em 1876, quando os afrescos da Catedral de Cristo Salvador estavam sendo feitos. Embora sonhasse em retornar a Krasnoiarsk, pintou belas paisagens de Moscou. Como por exemplo este selo do Kremlin no inverno de 1876.

Kremlin (1876)

Vassíli Súrikov prestava muita atenção à composição de suas obras. Tanto é que ganhou o apelido de “O compositor” nos círculos artísticos.

Kremlin de Moscou no inverno (1880-1901)

Vassíli Vereschaguin ficou famoso por pintar cenas de batalha. Porém, no início de sua carreira, ele escreveu: “Nunca pintarei outro tema de batalhas, nunca...tomo o que pinto de forma muito pessoal. Choro pela desgraça de cada soldado morto”.

Barracas de feira em Moscou

Konstantín Makovski nasceu e foi criado em Moscou em uma família ligada à arte. No início de sua carreira, estava mais inclinado ao romantismo, embora logo depois tenha se voltado ao realismo.

Ponte de Todos os Santos e o Kremlin

Apollinari Vasnetsov liderou a comissão de estudos da antiga Moscou e trabalhou em escavações arqueológicas. Pintou a ponte de Todos os Santos, muito perto do Kremlin e que foi construída em 1693.

Vista de Moscou. Distrito de Miasnitski (1912-1913)

Iliá Machkov foi um dos pintores mais significativos e peculiares do círculo da Sota de Diamantes.

Catedral de São Basílio (1913)

Aristarkh Lentúlov conheceu os adeptos do cubismo enquanto estudava em Paris. Para ele, Moscou assume a aparência de uma maravilha arquitetônica milagrosa e florescente graças à representação dinâmica dos edifícios.

Ponte de Moskvoretski (1914)

Konstantín Korovin nasceu em Moscou. Embora viajasse muito pelo mundo, ele sempre voltava para sua cidade natal. Também trabalhou nos sets do Teatro Bolshoi. Esta pintura apresenta a vista do Kremlin a partir do hotel Báltchug.

Bazar de Domingo de Páscoa na Praça Vermelha (1916)

O artista Konstantín Iuon encontrou sua verdadeira vocação na pintura de paisagens.

Suas obras apresentam uma clara influência dos impressionistas franceses e a originalidade do realismo russo do século 19.

Domingo de Páscoa junto ao portão Spasski na Praça Vermelha de Moscou (1917)

Borís Kustodiev teve uma inflamação na coluna em 1909. Passou os 15 anos seguintes em uma cadeira de rodas e pintando de cabeça para baixo. Depois, pintou seus trabalhos mais luminosos, temperamentais e alegres.

Nova Moscou (1937)

Esta pintura faz parte de uma série de obras sobre Moscou que Iúri Pímenov começou a pintar na década de 1930. Era pouco comum ver uma mulher ao volante na época. A imagem era como um símbolo de uma nova vida e uma nova Moscou.

Moscou (1967)

O artista norte-americano Ivan Albright viajou bastante pelo mundo e sempre notava os mínimos detalhes. Pintou de preto as paredes de seu estúdio nos Estados Unidos.

VEJA TAMBÉM: A Moscou soviética que nunca saiu do papel

Todos os direitos reservados por Rossiyskaya Gazeta.

Autorizamos a reprodução de todos os nossos textos sob a condição de que se publique juntamente o link ativo para o original do Russia Beyond.

Mais reportagens e vídeos interessantes na nossa página no Facebook.
Leia mais

Este site utiliza cookies. Clique aqui para saber mais.

Aceitar cookies